Pular para o conteúdo principal

Viagem 6 – Florianópolis – Santa Catarina – Brasil


Florianópolis e suas belezas que encantam o mundo

Visão da Praia da Joaquina vista da Ponta da Pedra (FOTO: Eduardo Pires)

Chegando em Florianópolis já dá para perceber que a cidade é diferenciada em relação a Região Sul. Praias, mirantes, dunas, surfistas, morros e lagos fazem uma ambientação diferente, aparentando ser uma região mais do Nordeste que propriamente do Sul.

Mas sim, a Ilha de Florianópolis tem tudo isso e mais um pouco. Restaurantes e bares em Canasvieiras. Mansões e baladas caras em Jurerê Internacional. Visual deslumbrante com as Dunas e praia em Joaquina. Centro Histórico rico em história e bem conservada. Estes são os lugares que o Notícias Independentes irá falar.

CENTRO HISTÓRICO: Desembarcando no Terminal Rodoviário Rita Maria, o site foi até o mirante da Ponte Hercílio Luz. A maior ponte Pênsil do Brasil, teve a sua construção iniciada em 1922 e terminada em 1926. Durante 56 anos de sua existência, a ponte teve o seu encerramento, mas voltou a funcionar e teve o seu segundo encerramento em definitivo em 1991. De lá para cá, ela teve o seu novo funcionamento. De tráfego para carros, ela se transformou em cartão postal e de visita de Florianópolis. O governo catarinense gasta milhões de reais para manter a ponte de pé, mas vale a pena.

A belíssima Ponte Hercílio Luz (FOTO: Eduardo Pires)

Do mirante fomos em direção ao centro histórico. Mercado Público de Florianópolis estava ainda abrindo as suas portas, mas observamos que o lugar vende de tudo, desde peixes até chinelos caracterizados dos pontos turísticos da cidade. Ao lado do Mercado Público, fica a Casa da Alfândega, um lugar voltado para os artesanatos da cidade. Infelizmente não visitamos porque estava muito cedo para a sua abertura. O local funciona de segunda a sábado, das 9h00 às 18:30. Da Casa da Alfândega, fomos até a Praça XV de Novembro. Uma bela praça com uma figueira centenária. Na rua ao lado, o Museu Histórico de Santa Catarina chama a atenção pela cor rosa. Localizado na esquina da Praça XV de Novembro, o museu também tem uma arquitetura que deixa os mais entusiastas pelas artes eufóricos com a modernidade do local. Logo em frente à Praça XV de Novembro e do Museu Histórico, a Catedral Metropolitana é a principal igreja de Florianópolis. Você conheceu estes lugares, praticamente conheceu quase por completo o centro da cidade.
A entrada do Mercado Público de Florianópolis (FOTO: Eduardo Pires)  

A cor rosa é um atrativo do Museu Histórico de Santa Catarina (FOTO: Eduardo Pires) 


LITORAL NORTE – CANASVIEIRAS: Uma das praias mais agitadas e badaladas de Florianópolis. Canasvieiras é um local ótimo para curtir bons restaurantes, bares, pizzarias e água verde esmeralda do mar. O local ainda oferece um passeio imperdível, os diversos barcos piratas saem da Paria de Canasvieiras e fazem um tour pelo litoral norte. O passeio custa R$ 80 a vista ou R$ 85 no débito, e a duração do passeio vária de 3 ou 5 horas. Todas as embarcações param na Ilha de Anhatomirim para os turistas conhecerem a principal fortificação que protegia a Ilha de Santa Catarina no século XVII. Para visitar a ilha, tem uma taxa de R$ 8. Estudantes, professores e idosos pagam meia.

Canasvieiras tem as suas curiosidades. A quantidade de turistas sulamericanos que invadem o local é muito grande. Argentinos, chilenos, uruguaios, paraguaios e colombianos estão por toda a parte. Outra curiosidade é a faixa de areia que a praia tem. Os turistas se juntam para sentar e acampar nas areias do local. A maré sobe e as pessoas tem que lutar para não ser atingido pelas ondas. Canasvieiras por possuir grande quantidade de bares, restaurantes e afins, também é bastante movimentada durante o dia e a noite, então você que vai se hospedar no bairro e gosta de agito, aqui é o local.

Embarcação pirata saindo para mais um passeio (FOTO: Eduardo Pires)   

LITORAL NORTE - JURERÊ INTERNACIONAL: Quando se fala em Jurerê Internacional, qualquer pessoa lembra de mansões e carros importados, mas isso é o que resume a este bairro. Andando pela Avenida dos Búzios, que corta Jurerê Tradicional e Internacional, deu para observar o poder econômico que as pessoas têm em morar ali. Uma mansão mais linda que a outra. Uma mansão maior que a outra. Carros importados parados em frente as mansões. Ruas bem arborizadas e segurança 24 horas com motoboys-seguranças circulando pelas ruas. Pessoas bem vestidas e com hábitos luxuosos. Isso é o Jurerê Internacional. A praia do bairro não é uma das mais belas, mas o bairro compensa isso.

Uma das ruas com suas mansões em Jurerê Internacional (FOTO: Eduardo Pires) 

LITORAL SUL – JOAQUINA: Um dos lugares mais procurados de Florianópolis, por causa de sua praia e dunas. Joaquina é um atrativo entanto para aqueles que querem desfrutar o máximo de uma beleza que quase nenhum lugar pode proporcionar.

As dunas são belíssimas. Com a areia fofíssima, o visitante tem a sensação que quer ficar ali por um bom tempo. Ventos fortes ameniza o calor que faz no local, e o esporte também faz presente. Skibunda é um atrativo radical para aqueles que querem extrair ainda mais das dunas. Andando pelo local, dá para chegar até a Praia da Joaquina e ver as ondas que não param no mar. Muita agitação no mar, o lugar é um dos preferidos dos surfistas para praticar o esporte. A água é mais fria em relação ao litoral norte, mas indo em época de calor, dá para ficar de boa nadando sem ser incomodado com a temperatura do mar.

A Ponta da Pedra é um dos lugares mais visitados do local. Os turistas sobem nas enormes pedras e observam o horizonte brilhoso do sol e o mar azul do Oceano Atlântico. Sentado ali por vários minutos, podemos ver o quão é belo o nosso país e mundo, uma sensação indescritível senti que sentimos estando neste lugar.

As dunas e ao fundo a Praia da Joaquina (FOTO: Eduardo Pires) 



Assista o vídeo de Florianópolis no YouTube

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Palmeiras avassalador não dá chances para o São Paulo no Morumbi

Em clássico quente e disputa pelas primeiras posições, Palmeiras leva a melhor e quebra mais um tabu no ano. Torcida do São Paulo lota o Morumbi para ver mais um tropeço do time (FOTO: Eduardo Pires) Os 56.694 são paulinos que foram até o Estádio do Morumbi viram os 16 anos de tabu cair por terra. Os palmeirenses comemoram a vitória em mais um clássico, e de quebra a liderança folgada no Campeonato Brasileiro. Agora já são três pontos que separam o time alviverde para o Internacional, 56 contra 53. O time escalado por Felipão mesclando o time titular com jogadores “reservas” anularam totalmente o time do São Paulo. Diego Aguirre deixou no banco Everton e Arboleda, e apostou nas entradas de Rodrigo Caio e Bruno Alves, assim jogando com três zagueiros. Isso foi avassalador para o Palmeiras se sentir em casa e comandar a vitória no primeiro tempo. Meio-campo forte com Felipe Melo, Moises e Lucas Lima, Felipão viu a sua equipe ter toque de bola refinado e tranquilidade

Edifício Altino Arantes “banespão” completa 69 anos de beleza e modernidade

O projeto do edifício foi modificado para fazer referência ao Empire State Building de Nova York Hoje o Edifício Altino Arantes completa 69 anos, falando pelo nome, ninguém deve saber qual prédio estou falando, mas se eu falar o “banespão”, todos irão saber. No dia 27 de junho de 1947, a cidade de São Paulo ganhou um presente de 161 metros de altura, superando o Edifício Martinelli com 130 metros. O Edifício Altino Arantes se tornou em pouco tempo, o símbolo da cidade de São Paulo e o coração da cidade de São Paulo. A história começou quando o Banco do Estado de São Paulo (Banespa) ficava na Praça Ramos de Azevedo, longe do centro financeiro da cidade – na época ficava nas ruas São Bento e XV de Novembro. Para ficar próximo ao centro comercial, os diretores do banco fizeram uma parceria com a Santa Casa da Misericórdia e compraram alguns imóveis. Com a demolição de algumas casas, foi erguido o edifício na Rua João Brícola, se tornando o maior prédio do Brasil, com seus 161

Edifício Wilson Paes de Almeida: Dez dias de dor, sofrimento, angústia e no fundo uma esperança

Moradores do prédio acampam no Largo do Paissandu esperando um desfecho da prefeitura da cidade em relação à moradia para eles. Vítimas do desabamento se aglomeram para pegar um prato de comida (FOTO: Eduardo Pires) Há de dez dias a cidade de São Paulo parava para acompanhar o desabamento do Edifícil Wilson Paes de Almeida. O local abrigou a sede da Polícia Federal e Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), além de ser um patrimônio histórico tombado em 1992. Dos 24 andares que ostentava um edifício todo espelhado no Largo do Paissandu, Região Central de SP, nada sobrou, levando a metade de uma igreja luterana centenária abaixo. O local abrigava mais de 50 famílias que lutam por moradia através dos movimentos sociais. Cerca de 250 pessoas saíram ilesos do desastre do dia 1° de maio, Dia do Trabalhador, mas também sem um teto para pelo menos dormir. Outras cinco pessoas até o fechamento dessa matéria não tiveram a mesma sorte e acabaram morrendo.   A Praça em frent