Pular para o conteúdo principal

DE ELITE PARA O PÚBLICO EM GERAL FAZ O THEATRO MUNICIPAL SE REINVENTAR

Inaugurado no dia 12 de setembro de 1911, o Theatro Municipal de São Paulo, localizado no centro antigo da capital, revolucionou em vários aspectos, principalmente na arquitetura que espelhou a Ópera Nacional de Paris.

O teatro foi construído para atender o desejo da elite paulista da época, que queria que a cidade estivesse à altura dos grandes centros culturais, além de ter acesso a concertos e óperas. No período, a diferença de classes era bastante evidente, os barões do café e os políticos eram os mais respeitados e os que tinham mais poderes na cidade, seguidos por profissionais liberais (médicos, advogados, engenheiros, arquitetos e jornalistas) e, por fim, por professores, estudantes e imigrantes italianos.

Para ter acesso ao Theatro, foram criados três tipos de acesso para esse público.

Ordem 1: (Balcão nobre e camarotes do 2° andar): Políticos e pessoas influentes como os barões do café. Acesso pela escadaria principal.

Ordem 2: (Foyer): Profissionais liberais. Acesso pelas portas laterais.

Ordem 3: (Balcão simples e 4° andar): Estudantes e professores. No 5° andar, os imigrantes italianos tinham acesso por uma escada isolada.


Segundo o guia turístico do Theatro Municipal de São Paulo, Rodrigo Silveira, o público era seleto e havia uma segregação por parte dos organizadores dos eventos. “Quando inaugurado o Theatro Municipal, a cidade de São Paulo estava crescendo muito por causa do café e, com isso, a desigualdade social também crescia. A arquitetura do local visava separar a elite paulistana, que eram barões, políticos e pessoas influentes, daqueles que não se adequavam a esses requisitos. Sendo assim, a entrada principal e a escadaria eram restritas à elite. A entrada de professores e estudantes, pela entrada lateral do lado de fora, representava essa segregação", declara ele.

       Entrada onde entrava a primeira ordem (FOTO: Eduardo Pires)

Com as reformas teatro e o surgimento de outros lugares culturais, como, por exemplo, o Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand (MASP), o Theatro começou a perder seu público e aos poucos teve que se reinventar, tanto na parte das programações quanto nos preços dos eventos.

Passados mais de 114 anos depois da sua inauguração, o Theatro Municipal de São Paulo recebe vários tipos de classes sociais, com visitas guiadas gratuitas e preços de concertos que chegam a custar 20 reais. “Antigamente o público gostava de arte e cultura, tinha uma fome para aprender novas tendências, principalmente as da Europa. Hoje o público, principalmente o jovem, não tem nenhum interesse em visitar um teatro ou museu, porque a tecnologia é mais importante que conhecer a arte. O Theatro soube mudar o olhar e o pensamento sobre o público”, revela o visitante Gilson Almeida.

          Vista externa do Theatro Municipal (FOTO: Eduardo Pires)

Atualmente, a entrada e a visita são permitidas para todos os públicos.




Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Viagem 3: Natal - Rio Grande do Norte - Brasil

Natal deixa um rastro de saudades pelas suas belezas que enfeitam os corações e olhos dos turistas
Viajar sempre é bom, não é mesmo? Imagine viajar para um lugar que reúne vida noturna agitada, belas praias e animais que embelezam as paisagens das dunas desérticas que estão localizadas em Natal? Fantástico!

O Notícias Independentes compareceu na capital do Rio Grande do Norte e visitou alguns lugares mais famosos da cidade, que conta com mais de 800 mil habitantes nos seus 418 anos de sua fundação.
Chegando à Natal, a primeira recepção que a cidade nós proporciona é o vento forte que atravessa as ruas, avenidas, rostos e corpos. A temperatura alta também é um atrativo para aqueles que adoram o calor. A temperatura a noite varia entre 22° a 25° C; durante a tarde o sol chega na marca dos 33° - isso no inverno, mês de junho, época que o site foi até a cidade.
Outro ponto positivo do lugar é a forma calorosa dos natalenses que recebem pessoas de outros estados brasileiros ou países. Desde o…

Edifício Wilson Paes de Almeida: Dez dias de dor, sofrimento, angústia e no fundo uma esperança

Moradores do prédio acampam no Largo do Paissandu esperando um desfecho da prefeitura da cidade em relação à moradia para eles.
Vítimas do desabamento se aglomeram para pegar um prato de comida (FOTO: Eduardo Pires)
Há de dez dias a cidade de São Paulo parava para acompanhar o desabamento do Edifícil Wilson Paes de Almeida. O local abrigou a sede da Polícia Federal e Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), além de ser um patrimônio histórico tombado em 1992.

Dos 24 andares que ostentava um edifício todo espelhado no Largo do Paissandu, Região Central de SP, nada sobrou, levando a metade de uma igreja luterana centenária abaixo. O local abrigava mais de 50 famílias que lutam por moradia através dos movimentos sociais. Cerca de 250 pessoas saíram ilesos do desastre do dia 1° de maio, Dia do Trabalhador, mas também sem um teto para pelo menos dormir. Outras cinco pessoas até o fechamento dessa matéria não tiveram a mesma sorte e acabaram morrendo.
A Praça em frente ao prédio que se rui…

Shamell tem tarde mágica na vitória do Mogi para cima do Flamengo e final inédita para ambos

Torcida mogiana vibra e delira no Hugão com a classificação do Mogi Basquete para a final do NBB
Times perfilados para o hino nacional (FOTO: Eduardo Pires) 
O Ginásio Hugo Ramos, o Hugão, teve um sábado mágico e histórico. Isso porque o Basquete de Mogi se garantiu pela primeira vez na história para a final do Novo Basquete Brasil (NBB). A vítima da vez foi o fortíssimo Flamengo comandado pelo pivô Varejão, que não suportou a pressão da equipe mogiana em tarde inspiradíssima de Shamell, e também dos 5 mil torcedores que lotaram o ginásio. O time paulista venceu o  terceiro jogo em quatro partidas da semifinal.
PRIMEIRO QUARTO
Muito disputado pelas duas equipes, o Mogi tentou mais arremates de três e o Flamengo aproveitou as falhas do adversário em erros bobos. O mandante estava bem através das infiltrações do ala Jimmy e das belas cestas do craque americano Shamell. O time carioca aproveitava do forte Varejão para fazer a parede e conseguir os pontos, nisso o primeiro quarto acabou 17 a …