Pular para o conteúdo principal

DE ELITE PARA O PÚBLICO EM GERAL FAZ O THEATRO MUNICIPAL SE REINVENTAR

Inaugurado no dia 12 de setembro de 1911, o Theatro Municipal de São Paulo, localizado no centro antigo da capital, revolucionou em vários aspectos, principalmente na arquitetura que espelhou a Ópera Nacional de Paris.

O teatro foi construído para atender o desejo da elite paulista da época, que queria que a cidade estivesse à altura dos grandes centros culturais, além de ter acesso a concertos e óperas. No período, a diferença de classes era bastante evidente, os barões do café e os políticos eram os mais respeitados e os que tinham mais poderes na cidade, seguidos por profissionais liberais (médicos, advogados, engenheiros, arquitetos e jornalistas) e, por fim, por professores, estudantes e imigrantes italianos.

Para ter acesso ao Theatro, foram criados três tipos de acesso para esse público.

Ordem 1: (Balcão nobre e camarotes do 2° andar): Políticos e pessoas influentes como os barões do café. Acesso pela escadaria principal.

Ordem 2: (Foyer): Profissionais liberais. Acesso pelas portas laterais.

Ordem 3: (Balcão simples e 4° andar): Estudantes e professores. No 5° andar, os imigrantes italianos tinham acesso por uma escada isolada.


Segundo o guia turístico do Theatro Municipal de São Paulo, Rodrigo Silveira, o público era seleto e havia uma segregação por parte dos organizadores dos eventos. “Quando inaugurado o Theatro Municipal, a cidade de São Paulo estava crescendo muito por causa do café e, com isso, a desigualdade social também crescia. A arquitetura do local visava separar a elite paulistana, que eram barões, políticos e pessoas influentes, daqueles que não se adequavam a esses requisitos. Sendo assim, a entrada principal e a escadaria eram restritas à elite. A entrada de professores e estudantes, pela entrada lateral do lado de fora, representava essa segregação", declara ele.

       Entrada onde entrava a primeira ordem (FOTO: Eduardo Pires)

Com as reformas teatro e o surgimento de outros lugares culturais, como, por exemplo, o Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand (MASP), o Theatro começou a perder seu público e aos poucos teve que se reinventar, tanto na parte das programações quanto nos preços dos eventos.

Passados mais de 114 anos depois da sua inauguração, o Theatro Municipal de São Paulo recebe vários tipos de classes sociais, com visitas guiadas gratuitas e preços de concertos que chegam a custar 20 reais. “Antigamente o público gostava de arte e cultura, tinha uma fome para aprender novas tendências, principalmente as da Europa. Hoje o público, principalmente o jovem, não tem nenhum interesse em visitar um teatro ou museu, porque a tecnologia é mais importante que conhecer a arte. O Theatro soube mudar o olhar e o pensamento sobre o público”, revela o visitante Gilson Almeida.

          Vista externa do Theatro Municipal (FOTO: Eduardo Pires)

Atualmente, a entrada e a visita são permitidas para todos os públicos.




Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Palmeiras avassalador não dá chances para o São Paulo no Morumbi

Em clássico quente e disputa pelas primeiras posições, Palmeiras leva a melhor e quebra mais um tabu no ano. Torcida do São Paulo lota o Morumbi para ver mais um tropeço do time (FOTO: Eduardo Pires) Os 56.694 são paulinos que foram até o Estádio do Morumbi viram os 16 anos de tabu cair por terra. Os palmeirenses comemoram a vitória em mais um clássico, e de quebra a liderança folgada no Campeonato Brasileiro. Agora já são três pontos que separam o time alviverde para o Internacional, 56 contra 53. O time escalado por Felipão mesclando o time titular com jogadores “reservas” anularam totalmente o time do São Paulo. Diego Aguirre deixou no banco Everton e Arboleda, e apostou nas entradas de Rodrigo Caio e Bruno Alves, assim jogando com três zagueiros. Isso foi avassalador para o Palmeiras se sentir em casa e comandar a vitória no primeiro tempo. Meio-campo forte com Felipe Melo, Moises e Lucas Lima, Felipão viu a sua equipe ter toque de bola refinado e tranquilidade

Edifício Altino Arantes “banespão” completa 69 anos de beleza e modernidade

O projeto do edifício foi modificado para fazer referência ao Empire State Building de Nova York Hoje o Edifício Altino Arantes completa 69 anos, falando pelo nome, ninguém deve saber qual prédio estou falando, mas se eu falar o “banespão”, todos irão saber. No dia 27 de junho de 1947, a cidade de São Paulo ganhou um presente de 161 metros de altura, superando o Edifício Martinelli com 130 metros. O Edifício Altino Arantes se tornou em pouco tempo, o símbolo da cidade de São Paulo e o coração da cidade de São Paulo. A história começou quando o Banco do Estado de São Paulo (Banespa) ficava na Praça Ramos de Azevedo, longe do centro financeiro da cidade – na época ficava nas ruas São Bento e XV de Novembro. Para ficar próximo ao centro comercial, os diretores do banco fizeram uma parceria com a Santa Casa da Misericórdia e compraram alguns imóveis. Com a demolição de algumas casas, foi erguido o edifício na Rua João Brícola, se tornando o maior prédio do Brasil, com seus 161

Edifício Wilson Paes de Almeida: Dez dias de dor, sofrimento, angústia e no fundo uma esperança

Moradores do prédio acampam no Largo do Paissandu esperando um desfecho da prefeitura da cidade em relação à moradia para eles. Vítimas do desabamento se aglomeram para pegar um prato de comida (FOTO: Eduardo Pires) Há de dez dias a cidade de São Paulo parava para acompanhar o desabamento do Edifícil Wilson Paes de Almeida. O local abrigou a sede da Polícia Federal e Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), além de ser um patrimônio histórico tombado em 1992. Dos 24 andares que ostentava um edifício todo espelhado no Largo do Paissandu, Região Central de SP, nada sobrou, levando a metade de uma igreja luterana centenária abaixo. O local abrigava mais de 50 famílias que lutam por moradia através dos movimentos sociais. Cerca de 250 pessoas saíram ilesos do desastre do dia 1° de maio, Dia do Trabalhador, mas também sem um teto para pelo menos dormir. Outras cinco pessoas até o fechamento dessa matéria não tiveram a mesma sorte e acabaram morrendo.   A Praça em frent