Pular para o conteúdo principal

DE ELITE PARA O PÚBLICO EM GERAL FAZ O THEATRO MUNICIPAL SE REINVENTAR

Inaugurado no dia 12 de setembro de 1911, o Theatro Municipal de São Paulo, localizado no centro antigo da capital, revolucionou em vários aspectos, principalmente na arquitetura que espelhou a Ópera Nacional de Paris.

O teatro foi construído para atender o desejo da elite paulista da época, que queria que a cidade estivesse à altura dos grandes centros culturais, além de ter acesso a concertos e óperas. No período, a diferença de classes era bastante evidente, os barões do café e os políticos eram os mais respeitados e os que tinham mais poderes na cidade, seguidos por profissionais liberais (médicos, advogados, engenheiros, arquitetos e jornalistas) e, por fim, por professores, estudantes e imigrantes italianos.

Para ter acesso ao Theatro, foram criados três tipos de acesso para esse público.

Ordem 1: (Balcão nobre e camarotes do 2° andar): Políticos e pessoas influentes como os barões do café. Acesso pela escadaria principal.

Ordem 2: (Foyer): Profissionais liberais. Acesso pelas portas laterais.

Ordem 3: (Balcão simples e 4° andar): Estudantes e professores. No 5° andar, os imigrantes italianos tinham acesso por uma escada isolada.


Segundo o guia turístico do Theatro Municipal de São Paulo, Rodrigo Silveira, o público era seleto e havia uma segregação por parte dos organizadores dos eventos. “Quando inaugurado o Theatro Municipal, a cidade de São Paulo estava crescendo muito por causa do café e, com isso, a desigualdade social também crescia. A arquitetura do local visava separar a elite paulistana, que eram barões, políticos e pessoas influentes, daqueles que não se adequavam a esses requisitos. Sendo assim, a entrada principal e a escadaria eram restritas à elite. A entrada de professores e estudantes, pela entrada lateral do lado de fora, representava essa segregação", declara ele.

       Entrada onde entrava a primeira ordem (FOTO: Eduardo Pires)

Com as reformas teatro e o surgimento de outros lugares culturais, como, por exemplo, o Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand (MASP), o Theatro começou a perder seu público e aos poucos teve que se reinventar, tanto na parte das programações quanto nos preços dos eventos.

Passados mais de 114 anos depois da sua inauguração, o Theatro Municipal de São Paulo recebe vários tipos de classes sociais, com visitas guiadas gratuitas e preços de concertos que chegam a custar 20 reais. “Antigamente o público gostava de arte e cultura, tinha uma fome para aprender novas tendências, principalmente as da Europa. Hoje o público, principalmente o jovem, não tem nenhum interesse em visitar um teatro ou museu, porque a tecnologia é mais importante que conhecer a arte. O Theatro soube mudar o olhar e o pensamento sobre o público”, revela o visitante Gilson Almeida.

          Vista externa do Theatro Municipal (FOTO: Eduardo Pires)

Atualmente, a entrada e a visita são permitidas para todos os públicos.




Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Edifício Altino Arantes “banespão” completa 69 anos de beleza e modernidade

O projeto do edifício foi modificado para fazer referência ao Empire State Building de Nova York Hoje o Edifício Altino Arantes completa 69 anos, falando pelo nome, ninguém deve saber qual prédio estou falando, mas se eu falar o “banespão”, todos irão saber. No dia 27 de junho de 1947, a cidade de São Paulo ganhou um presente de 161 metros de altura, superando o Edifício Martinelli com 130 metros. O Edifício Altino Arantes se tornou em pouco tempo, o símbolo da cidade de São Paulo e o coração da cidade de São Paulo. A história começou quando o Banco do Estado de São Paulo (Banespa) ficava na Praça Ramos de Azevedo, longe do centro financeiro da cidade – na época ficava nas ruas São Bento e XV de Novembro. Para ficar próximo ao centro comercial, os diretores do banco fizeram uma parceria com a Santa Casa da Misericórdia e compraram alguns imóveis. Com a demolição de algumas casas, foi erguido o edifício na Rua João Brícola, se tornando o maior prédio do Brasil, com seus 161

Palmeiras avassalador não dá chances para o São Paulo no Morumbi

Em clássico quente e disputa pelas primeiras posições, Palmeiras leva a melhor e quebra mais um tabu no ano. Torcida do São Paulo lota o Morumbi para ver mais um tropeço do time (FOTO: Eduardo Pires) Os 56.694 são paulinos que foram até o Estádio do Morumbi viram os 16 anos de tabu cair por terra. Os palmeirenses comemoram a vitória em mais um clássico, e de quebra a liderança folgada no Campeonato Brasileiro. Agora já são três pontos que separam o time alviverde para o Internacional, 56 contra 53. O time escalado por Felipão mesclando o time titular com jogadores “reservas” anularam totalmente o time do São Paulo. Diego Aguirre deixou no banco Everton e Arboleda, e apostou nas entradas de Rodrigo Caio e Bruno Alves, assim jogando com três zagueiros. Isso foi avassalador para o Palmeiras se sentir em casa e comandar a vitória no primeiro tempo. Meio-campo forte com Felipe Melo, Moises e Lucas Lima, Felipão viu a sua equipe ter toque de bola refinado e tranquilidade

19° PARADA DO ORGULHO LGBT 2015

Avenida Paulista recebeu hoje o 19° Parada do Orgulho LGBT (Lésbica, Gay, Bisexual, Transexual), o evento é um dos mais importantes no calendário paulistano e todo ano toma conta da maior avenida do pais com festa, divertimento e músicas com os dezoito trios elétricos espalhados pela avenida. A via foi fechada por volta das 11h00 e as ruas que cruzam também foram bloqueadas, aos poucos a paulista foi ganhando forma com seus frequentadores com os trajes típicos e também pelos simpatizantes. Marta Suplicy e Eduardo Suplicy em cima de um dos trios elétricos (FOTO: Eduardo Pires) A Parada começou 12:30 com o primeiro trio elétrico saindo do MASP e seguindo para a consolação, em cima estava a ex-prefeita Marta Suplicy e o ex-senador Eduardo Suplicy dando as palavras contra o preconceito. Com o tempo a paulista foi ganhando mais frequentadores e consequentemente os furtos e assalto, o Marcelo de 52 anos disse que a Parada não é uma luta por um ideal. “ Gostaria de um pouco menos