Pular para o conteúdo principal

Edifício Altino Arantes “banespão” completa 69 anos de beleza e modernidade

O projeto do edifício foi modificado para fazer referência ao Empire State Building de Nova York

Hoje o Edifício Altino Arantes completa 69 anos, falando pelo nome, ninguém deve saber qual prédio estou falando, mas se eu falar o “banespão”, todos irão saber.

No dia 27 de junho de 1947, a cidade de São Paulo ganhou um presente de 161 metros de altura, superando o Edifício Martinelli com 130 metros. O Edifício Altino Arantes se tornou em pouco tempo, o símbolo da cidade de São Paulo e o coração da cidade de São Paulo.

A história começou quando o Banco do Estado de São Paulo (Banespa) ficava na Praça Ramos de Azevedo, longe do centro financeiro da cidade – na época ficava nas ruas São Bento e XV de Novembro. Para ficar próximo ao centro comercial, os diretores do banco fizeram uma parceria com a Santa Casa da Misericórdia e compraram alguns imóveis. Com a demolição de algumas casas, foi erguido o edifício na Rua João Brícola, se tornando o maior prédio do Brasil, com seus 161 metros distribuídos em 35 andares.

Para a construção do prédio, demorou quase oito anos. A demora se deu por conta do projeto ter sido mudado pelo então governador do Estado, Ademar Pereira de Barros. Para ele, o edifício tinha que fazer menção com o famoso Empire State Building, localizado na cidade de Nova York (EUA). O arquiteto Plínio Botelho do Amaral ficou responsável por esse novo projeto.

Empire State Building e o Edifício Altino Arantes, não lembra? (FOTO: Eduardo Pires)

Para o aposentado Ricardo, 57 anos, a beleza do edifício está no topo. “O que eu acho mais bonito é a bandeira de São Paulo no alto do mirante, a grandeza dele também chama a atenção”.

Com a sua obra terminada, o edifício se tornou não só o maior prédio do Brasil, mas também, a maior estrutura em concreto do mundo. O “banespão” conta com 14 elevadores, 900 degraus, e 1.119 janelas. No topo do Edifício foi colocado a bandeira do Estado de São Paulo e o letreiro do banco Banespa – hoje já não existe mais o letreiro - do alto do mirante, a pessoa tem uma visão 360° que atinge até 40 quilômetros de distância.

Edifício Banco do Brasil (direita), Edifício Altino Arantes (central), Edifício Martinelli (Esquerda), (FOTO: Eduardo Pires)

Depois de 19 anos de soberania, o Edifício Altino Arantes perdeu o reinado em altura. Ele sucedeu o Edifício Mirante do Vale – 170 metros de altura e maior prédio da cidade – mas a sua arquitetura moderna, faz ele ser um dos cartões postais mais belo da cidade.

A visitação até o mirante do "banespão" está interditado, por razões de manutenção, mas a data de término não tem previsão. Um caso curioso é que o elevador vai até o 26° andar, para chegar até o 35° (último andar), tem que subir nove andares de escadas.

Edifício Mirante do Vale sucedeu o Edifício Altino Arantes como o maior arranha-céu da cidade de São Paulo e do Brasil                                                                                                  (FOTO: Eduardo Pires)

Postagens mais visitadas deste blog

Viagem 2: Juiz de Fora – Minas Gerais – Brasil

Com cara da “cidade maravilhosa”, Juiz de Fora é conhecida pela grandiosidade no estado mineiro.

Conhecer a cidade mineira Juiz de Fora é conhecer também um pouco da história de Minas Gerais. Localizado no sudeste do estado, o munícipio está localizado na Zona da Mata, fazendo dela a principal cidade da região, que conta com outras cidades como Santos Dumond, Chácara, Bicas, Matias Barbosa, Lima Duarte entre outras.
Juiz de Fora tem a quarta maior população do Estado de Minas Gerais, com mais de 560 mil habitantes (estimativa de 2017 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística/IBGE), perdendo apenas para Belo Horizonte, Uberlândia e Contagem, respectivamente.
Quando um turista chega na cidade, logo se depara com as semelhanças entre Juiz de Fora e a cidade do Rio de Janeiro. O primeiro são os Taxis da cor amarelo, com as faixas pontilhados na lateral dos veículos; outro ponto a ser destacado são as bancas de jornais onde vendem jornais da capital Fluminense, O Globo e Extra são o…

Viagem 3: Natal - Rio Grande do Norte - Brasil

Natal deixa um rastro de saudades pelas suas belezas que enfeitam os corações e olhos dos turistas
Viajar sempre é bom, não é mesmo? Imagine viajar para um lugar que reúne vida noturna agitada, belas praias e animais que embelezam as paisagens das dunas desérticas que estão localizadas em Natal? Fantástico!

O Notícias Independentes compareceu na capital do Rio Grande do Norte e visitou alguns lugares mais famosos da cidade, que conta com mais de 800 mil habitantes nos seus 418 anos de sua fundação.
Chegando à Natal, a primeira recepção que a cidade nós proporciona é o vento forte que atravessa as ruas, avenidas, rostos e corpos. A temperatura alta também é um atrativo para aqueles que adoram o calor. A temperatura a noite varia entre 22° a 25° C; durante a tarde o sol chega na marca dos 33° - isso no inverno, mês de junho, época que o site foi até a cidade.
Outro ponto positivo do lugar é a forma calorosa dos natalenses que recebem pessoas de outros estados brasileiros ou países. Desde o…

Edifício Wilson Paes de Almeida: Dez dias de dor, sofrimento, angústia e no fundo uma esperança

Moradores do prédio acampam no Largo do Paissandu esperando um desfecho da prefeitura da cidade em relação à moradia para eles.
Vítimas do desabamento se aglomeram para pegar um prato de comida (FOTO: Eduardo Pires)
Há de dez dias a cidade de São Paulo parava para acompanhar o desabamento do Edifícil Wilson Paes de Almeida. O local abrigou a sede da Polícia Federal e Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), além de ser um patrimônio histórico tombado em 1992.

Dos 24 andares que ostentava um edifício todo espelhado no Largo do Paissandu, Região Central de SP, nada sobrou, levando a metade de uma igreja luterana centenária abaixo. O local abrigava mais de 50 famílias que lutam por moradia através dos movimentos sociais. Cerca de 250 pessoas saíram ilesos do desastre do dia 1° de maio, Dia do Trabalhador, mas também sem um teto para pelo menos dormir. Outras cinco pessoas até o fechamento dessa matéria não tiveram a mesma sorte e acabaram morrendo.
A Praça em frente ao prédio que se rui…