Pular para o conteúdo principal

A torcida luso-brasileiro acompanhou o título de Portugal no ginásio do Canindé

Cerca de mil pessoas empurraram a seleção portuguesa para o título inédito

10 de julho de 2016, o mundo do futebol presenciou a seleção portuguesa conquistando o seu primeiro título de expressão, a Eurocopa 2016. Mais especialmente para os 11 milhões de portugueses e os outros espalhados pelo mundo. Em São Paulo, a colônia portuguesa se reuniu na quadra poliesportiva do estádio Oswaldo Teixeira Duarte o “Canindé”.

Comidas típicas portuguesas estavam no ginásio do Canindé (FOTO: Eduardo Pires)

Cerca de mil pessoas compareceram no evento para empurrar a Seleção de Portugal rumo ao título inédito. Com gritos de “Força Portugal”, a torcida acreditava no título que parecia improvável no começo da Eurocopa. Avós, filhos, netos e bisnetos choravam na hora do hino nacional de Portugal. Mal eles sabiam que aquele domingo viraria ser um dia inesquecível e histórico na vida de cada geração da família, mesmo estando a 9 mil quilômetros de distância – São Paulo a Paris – parecia que a energia daquelas centenas de pessoas, chegava com força até os guerreiros jogadores lusos.

Centenas de torcedores foram até a quadra poliesportiva empurrar a seleção portuguesa (FOTO: Eduardo Pires)

Com um jogo truncado e feio no primeiro tempo, a torcida portuguesa teve que se lamentar com a contusão do Cristiano Ronaldo, aos 23° do tempo inicial. Nos semblantes dos luso-brasileiros, uma mistura de decepção e tristeza. Até parecia que a Seleção de Portugal tinha perdido o título.

No segundo tempo, o jogo ganhou mais movimentação e as seleções foram mais ao ataque. França com Pogba e Griezmann apagados, o atacante Gignac assumiu o protagonismo no ataque. Portugal com Nani e Renato Sanchez sumidos, Quaresma foi o que mais se movimentou e buscou o gol. Este último jogador francês que eu citei, Gignac, teve a chance de ouro para dar o título para a França. Mas acabou desperdiçando e mandando a bola na trave, antes, deu um lindo corte no zagueiro Pepe.

O jogo foi para a prorrogação, a terceira de Portugal no mata a mata da competição. Para o Dalião Noronha, o jogo estava com cara de penalidades. “Jogo truncado, nenhum time quer a vitória, provavelmente teremos pênaltis de novo”. Com o ginásio apreensivo, o primeiro tempo da prorrogação acabou, mas os gritos de “Força Portugal” entoavam o lugar.

Mas toda essa energia positiva, a bola na trave de Gignac e raça da seleção portuguesa, colocavam o título no caminho daqueles que tanto sofreram pela perda da Eurocopa de 2004, diante da Grécia, em pleno estádio da Luz, em Lisboa.

Aos 3° minutos do segundo tempo da prorrogação, eu pude presenciar e testemunhar a maior glória do futebol português. O gol do atacante Éder fez os adolescentes até o mais velho chorar, abraçar e se ajoelhar no chão. A história estava sendo escrito nos meus olhos, uma seleção que se orgulhava em ter um vice da Eurocopa (2004) e um terceiro colocado na Copa do Mundo (1966). Mas agora não, pode se orgulhar em ter um título na sua galeria de troféus.

No apito final, as lágrimas, os choros, os abraços e as mãos levantadas era visto com frequência. Um senhor me chamou a atenção, com a camisa da Seleção de Portugal e chorando muito, ele andava de um lado para o outro, não acreditando no feito que tinha visto. “Eu estou sentindo muito alegria, a Portuguesa perdeu, mas Portugal foi campeão, acabou toda a minha tristeza. Foi o dia mais feliz da minha vida”. Contou o Taberna, como ele é conhecido no Canindé.

Esse 10 de julho de 2016, ficará para sempre na memória dos luso-brasileiros que estavam presentes no ginásio do Canindé, os 11 milhões de portugueses em Portugal e aqueles que adotaram Portugal como a segunda seleção. E para mim, fica registrado o momento de uma conquista tão desejada e sofrida como foi essa Eurocopa para seleção portuguesa. PARABÉNS PORTUGAL!!!

Senhor ajoelhado depois do título de Portugal na Eurocopa (FOTO: Eduardo Pires)





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Edifício Altino Arantes “banespão” completa 69 anos de beleza e modernidade

O projeto do edifício foi modificado para fazer referência ao Empire State Building de Nova York Hoje o Edifício Altino Arantes completa 69 anos, falando pelo nome, ninguém deve saber qual prédio estou falando, mas se eu falar o “banespão”, todos irão saber. No dia 27 de junho de 1947, a cidade de São Paulo ganhou um presente de 161 metros de altura, superando o Edifício Martinelli com 130 metros. O Edifício Altino Arantes se tornou em pouco tempo, o símbolo da cidade de São Paulo e o coração da cidade de São Paulo. A história começou quando o Banco do Estado de São Paulo (Banespa) ficava na Praça Ramos de Azevedo, longe do centro financeiro da cidade – na época ficava nas ruas São Bento e XV de Novembro. Para ficar próximo ao centro comercial, os diretores do banco fizeram uma parceria com a Santa Casa da Misericórdia e compraram alguns imóveis. Com a demolição de algumas casas, foi erguido o edifício na Rua João Brícola, se tornando o maior prédio do Brasil, com seus 161

19° PARADA DO ORGULHO LGBT 2015

Avenida Paulista recebeu hoje o 19° Parada do Orgulho LGBT (Lésbica, Gay, Bisexual, Transexual), o evento é um dos mais importantes no calendário paulistano e todo ano toma conta da maior avenida do pais com festa, divertimento e músicas com os dezoito trios elétricos espalhados pela avenida. A via foi fechada por volta das 11h00 e as ruas que cruzam também foram bloqueadas, aos poucos a paulista foi ganhando forma com seus frequentadores com os trajes típicos e também pelos simpatizantes. Marta Suplicy e Eduardo Suplicy em cima de um dos trios elétricos (FOTO: Eduardo Pires) A Parada começou 12:30 com o primeiro trio elétrico saindo do MASP e seguindo para a consolação, em cima estava a ex-prefeita Marta Suplicy e o ex-senador Eduardo Suplicy dando as palavras contra o preconceito. Com o tempo a paulista foi ganhando mais frequentadores e consequentemente os furtos e assalto, o Marcelo de 52 anos disse que a Parada não é uma luta por um ideal. “ Gostaria de um pouco menos

Palmeiras avassalador não dá chances para o São Paulo no Morumbi

Em clássico quente e disputa pelas primeiras posições, Palmeiras leva a melhor e quebra mais um tabu no ano. Torcida do São Paulo lota o Morumbi para ver mais um tropeço do time (FOTO: Eduardo Pires) Os 56.694 são paulinos que foram até o Estádio do Morumbi viram os 16 anos de tabu cair por terra. Os palmeirenses comemoram a vitória em mais um clássico, e de quebra a liderança folgada no Campeonato Brasileiro. Agora já são três pontos que separam o time alviverde para o Internacional, 56 contra 53. O time escalado por Felipão mesclando o time titular com jogadores “reservas” anularam totalmente o time do São Paulo. Diego Aguirre deixou no banco Everton e Arboleda, e apostou nas entradas de Rodrigo Caio e Bruno Alves, assim jogando com três zagueiros. Isso foi avassalador para o Palmeiras se sentir em casa e comandar a vitória no primeiro tempo. Meio-campo forte com Felipe Melo, Moises e Lucas Lima, Felipão viu a sua equipe ter toque de bola refinado e tranquilidade