Pular para o conteúdo principal

A torcida luso-brasileiro acompanhou o título de Portugal no ginásio do Canindé

Cerca de mil pessoas empurraram a seleção portuguesa para o título inédito

10 de julho de 2016, o mundo do futebol presenciou a seleção portuguesa conquistando o seu primeiro título de expressão, a Eurocopa 2016. Mais especialmente para os 11 milhões de portugueses e os outros espalhados pelo mundo. Em São Paulo, a colônia portuguesa se reuniu na quadra poliesportiva do estádio Oswaldo Teixeira Duarte o “Canindé”.

Comidas típicas portuguesas estavam no ginásio do Canindé (FOTO: Eduardo Pires)

Cerca de mil pessoas compareceram no evento para empurrar a Seleção de Portugal rumo ao título inédito. Com gritos de “Força Portugal”, a torcida acreditava no título que parecia improvável no começo da Eurocopa. Avós, filhos, netos e bisnetos choravam na hora do hino nacional de Portugal. Mal eles sabiam que aquele domingo viraria ser um dia inesquecível e histórico na vida de cada geração da família, mesmo estando a 9 mil quilômetros de distância – São Paulo a Paris – parecia que a energia daquelas centenas de pessoas, chegava com força até os guerreiros jogadores lusos.

Centenas de torcedores foram até a quadra poliesportiva empurrar a seleção portuguesa (FOTO: Eduardo Pires)

Com um jogo truncado e feio no primeiro tempo, a torcida portuguesa teve que se lamentar com a contusão do Cristiano Ronaldo, aos 23° do tempo inicial. Nos semblantes dos luso-brasileiros, uma mistura de decepção e tristeza. Até parecia que a Seleção de Portugal tinha perdido o título.

No segundo tempo, o jogo ganhou mais movimentação e as seleções foram mais ao ataque. França com Pogba e Griezmann apagados, o atacante Gignac assumiu o protagonismo no ataque. Portugal com Nani e Renato Sanchez sumidos, Quaresma foi o que mais se movimentou e buscou o gol. Este último jogador francês que eu citei, Gignac, teve a chance de ouro para dar o título para a França. Mas acabou desperdiçando e mandando a bola na trave, antes, deu um lindo corte no zagueiro Pepe.

O jogo foi para a prorrogação, a terceira de Portugal no mata a mata da competição. Para o Dalião Noronha, o jogo estava com cara de penalidades. “Jogo truncado, nenhum time quer a vitória, provavelmente teremos pênaltis de novo”. Com o ginásio apreensivo, o primeiro tempo da prorrogação acabou, mas os gritos de “Força Portugal” entoavam o lugar.

Mas toda essa energia positiva, a bola na trave de Gignac e raça da seleção portuguesa, colocavam o título no caminho daqueles que tanto sofreram pela perda da Eurocopa de 2004, diante da Grécia, em pleno estádio da Luz, em Lisboa.

Aos 3° minutos do segundo tempo da prorrogação, eu pude presenciar e testemunhar a maior glória do futebol português. O gol do atacante Éder fez os adolescentes até o mais velho chorar, abraçar e se ajoelhar no chão. A história estava sendo escrito nos meus olhos, uma seleção que se orgulhava em ter um vice da Eurocopa (2004) e um terceiro colocado na Copa do Mundo (1966). Mas agora não, pode se orgulhar em ter um título na sua galeria de troféus.

No apito final, as lágrimas, os choros, os abraços e as mãos levantadas era visto com frequência. Um senhor me chamou a atenção, com a camisa da Seleção de Portugal e chorando muito, ele andava de um lado para o outro, não acreditando no feito que tinha visto. “Eu estou sentindo muito alegria, a Portuguesa perdeu, mas Portugal foi campeão, acabou toda a minha tristeza. Foi o dia mais feliz da minha vida”. Contou o Taberna, como ele é conhecido no Canindé.

Esse 10 de julho de 2016, ficará para sempre na memória dos luso-brasileiros que estavam presentes no ginásio do Canindé, os 11 milhões de portugueses em Portugal e aqueles que adotaram Portugal como a segunda seleção. E para mim, fica registrado o momento de uma conquista tão desejada e sofrida como foi essa Eurocopa para seleção portuguesa. PARABÉNS PORTUGAL!!!

Senhor ajoelhado depois do título de Portugal na Eurocopa (FOTO: Eduardo Pires)





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Projeto Centro Aberto deixa a cidade de São Paulo mais harmonizada

Com cadeiras de praia e jogos de tabuleiro, as pessoas esquecem por alguns instantes a preocupação do dia a dia.



A cidade de São Paulo está ganhando nova cara. Jogos de tabuleiro como: dominó, dama e xadrez, e mesas de ping pong, ilustra a cidade com ar de lazer e aos poucos tirar a marca registrada da cidade, considerada uma “selva de pedra”.
O projeto Centro Aberto dá a oportunidade para os pedestres relaxar quando estiverem cansados, ou até mesmo, sair do serviço e jogar um jogo de tabuleiro de xadrez gigante para esquecer os dias corridos que a capital paulista proporciona. Desenvolvido e implantado por meio de colaboração de diversas secretárias municipais como: Secretária de Desenvolvimento Urbano, Secretária de Serviços, Secretária de Assistência e Desenvolvimento Social, Secretária de Direitos Humanos e Cidadania, Secretária de Segurança Urbana e Secretária de Cultura.O Centro Aberto também recebeu apoio do Metrô, que cedeu lugares para as construções das praças.
Cadeiras de prai…
Em algumas partes, o cemitério mostra o estado de abandono.

A cidade de Poá, localizada na Grande São Paulo, tem mais de 115 mil habitantes, segundo pesquisa feito pelo IBGE, em 2017.
Na década de 60 e 70, a cidade tinha cara de munício interiorano. Mas o tempo passou, com a pouca distância até a capital paulista (30 km) e o comércio chegando na cidade, Poá ganhou estados de cidade “grande”.
A Criminalidade de diversos tipos, vandalismos e a falta de segurança invadiram a cidade Os munícipes ficarem atentos à sua segurança como circuito de segurança nas casas e comércios, aumentar os muros e até colocar seguranças particulares em algumas ruas.
Mas é aqueles que já morreram? Será que eles se livraram dos maus hábitos dos seres humanos que estão na Terra? A resposta é simples, não!
O Cemitério Municipal de Poá, localizado no bairro Água Vermelha, está sofrendo vandalismo no ossário e em alguns túmulos. No prédio onde guarda boa parte dos ossos daqueles que já foram, está completamente em est…

Investigação do NI denúncia nutrição de hospital particular de SP

Nutrição do Hospital Santa Clara e suas más condições de trabalho

Mamão estragada sendo entregue para pacientes e acompanhantes (FOTO: Eduardo Pires) Frutas estragadas; verduras apodrecendo; panelas sujas; vasilhas e panelas com urinas e fezes de ratos; carne vencida sendo entregues para pacientes, acompanhantes e funcionários; ratoeiras no estoque de alimentos do setor de nutrição; embalagens roídas pelos ratos que andam pelos lugares da cozinha, estoque e corredor do setor; alimentos sendo armazenados de forma incorreta, fazendo com que os produtos ficam expostos as bactérias e fungos do lugar; entre outros agravantes.
Esses casos ocorreram até o dia 30 de outubro no Hospital Santa Clara, na Vila Matilde, Zona Leste de São Paulo. Infestações de baratas, ratos, mosquitos e cupins fizeram do lugar uma desordem. Até o último dia do mês 10, a cozinha do hospital viveu dias de caos e funcionários convivendo com todo este tipo de infrações graves. Responsáveis pelo setor e também do hospital…