Pular para o conteúdo principal

A torcida luso-brasileiro acompanhou o título de Portugal no ginásio do Canindé

Cerca de mil pessoas empurraram a seleção portuguesa para o título inédito

10 de julho de 2016, o mundo do futebol presenciou a seleção portuguesa conquistando o seu primeiro título de expressão, a Eurocopa 2016. Mais especialmente para os 11 milhões de portugueses e os outros espalhados pelo mundo. Em São Paulo, a colônia portuguesa se reuniu na quadra poliesportiva do estádio Oswaldo Teixeira Duarte o “Canindé”.

Comidas típicas portuguesas estavam no ginásio do Canindé (FOTO: Eduardo Pires)

Cerca de mil pessoas compareceram no evento para empurrar a Seleção de Portugal rumo ao título inédito. Com gritos de “Força Portugal”, a torcida acreditava no título que parecia improvável no começo da Eurocopa. Avós, filhos, netos e bisnetos choravam na hora do hino nacional de Portugal. Mal eles sabiam que aquele domingo viraria ser um dia inesquecível e histórico na vida de cada geração da família, mesmo estando a 9 mil quilômetros de distância – São Paulo a Paris – parecia que a energia daquelas centenas de pessoas, chegava com força até os guerreiros jogadores lusos.

Centenas de torcedores foram até a quadra poliesportiva empurrar a seleção portuguesa (FOTO: Eduardo Pires)

Com um jogo truncado e feio no primeiro tempo, a torcida portuguesa teve que se lamentar com a contusão do Cristiano Ronaldo, aos 23° do tempo inicial. Nos semblantes dos luso-brasileiros, uma mistura de decepção e tristeza. Até parecia que a Seleção de Portugal tinha perdido o título.

No segundo tempo, o jogo ganhou mais movimentação e as seleções foram mais ao ataque. França com Pogba e Griezmann apagados, o atacante Gignac assumiu o protagonismo no ataque. Portugal com Nani e Renato Sanchez sumidos, Quaresma foi o que mais se movimentou e buscou o gol. Este último jogador francês que eu citei, Gignac, teve a chance de ouro para dar o título para a França. Mas acabou desperdiçando e mandando a bola na trave, antes, deu um lindo corte no zagueiro Pepe.

O jogo foi para a prorrogação, a terceira de Portugal no mata a mata da competição. Para o Dalião Noronha, o jogo estava com cara de penalidades. “Jogo truncado, nenhum time quer a vitória, provavelmente teremos pênaltis de novo”. Com o ginásio apreensivo, o primeiro tempo da prorrogação acabou, mas os gritos de “Força Portugal” entoavam o lugar.

Mas toda essa energia positiva, a bola na trave de Gignac e raça da seleção portuguesa, colocavam o título no caminho daqueles que tanto sofreram pela perda da Eurocopa de 2004, diante da Grécia, em pleno estádio da Luz, em Lisboa.

Aos 3° minutos do segundo tempo da prorrogação, eu pude presenciar e testemunhar a maior glória do futebol português. O gol do atacante Éder fez os adolescentes até o mais velho chorar, abraçar e se ajoelhar no chão. A história estava sendo escrito nos meus olhos, uma seleção que se orgulhava em ter um vice da Eurocopa (2004) e um terceiro colocado na Copa do Mundo (1966). Mas agora não, pode se orgulhar em ter um título na sua galeria de troféus.

No apito final, as lágrimas, os choros, os abraços e as mãos levantadas era visto com frequência. Um senhor me chamou a atenção, com a camisa da Seleção de Portugal e chorando muito, ele andava de um lado para o outro, não acreditando no feito que tinha visto. “Eu estou sentindo muito alegria, a Portuguesa perdeu, mas Portugal foi campeão, acabou toda a minha tristeza. Foi o dia mais feliz da minha vida”. Contou o Taberna, como ele é conhecido no Canindé.

Esse 10 de julho de 2016, ficará para sempre na memória dos luso-brasileiros que estavam presentes no ginásio do Canindé, os 11 milhões de portugueses em Portugal e aqueles que adotaram Portugal como a segunda seleção. E para mim, fica registrado o momento de uma conquista tão desejada e sofrida como foi essa Eurocopa para seleção portuguesa. PARABÉNS PORTUGAL!!!

Senhor ajoelhado depois do título de Portugal na Eurocopa (FOTO: Eduardo Pires)





Postagens mais visitadas deste blog

Viagem 2: Juiz de Fora – Minas Gerais – Brasil

Com cara da “cidade maravilhosa”, Juiz de Fora é conhecida pela grandiosidade no estado mineiro.

Conhecer a cidade mineira Juiz de Fora é conhecer também um pouco da história de Minas Gerais. Localizado no sudeste do estado, o munícipio está localizado na Zona da Mata, fazendo dela a principal cidade da região, que conta com outras cidades como Santos Dumond, Chácara, Bicas, Matias Barbosa, Lima Duarte entre outras.
Juiz de Fora tem a quarta maior população do Estado de Minas Gerais, com mais de 560 mil habitantes (estimativa de 2017 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística/IBGE), perdendo apenas para Belo Horizonte, Uberlândia e Contagem, respectivamente.
Quando um turista chega na cidade, logo se depara com as semelhanças entre Juiz de Fora e a cidade do Rio de Janeiro. O primeiro são os Taxis da cor amarelo, com as faixas pontilhados na lateral dos veículos; outro ponto a ser destacado são as bancas de jornais onde vendem jornais da capital Fluminense, O Globo e Extra são o…

Viagem 3: Natal - Rio Grande do Norte - Brasil

Natal deixa um rastro de saudades pelas suas belezas que enfeitam os corações e olhos dos turistas
Viajar sempre é bom, não é mesmo? Imagine viajar para um lugar que reúne vida noturna agitada, belas praias e animais que embelezam as paisagens das dunas desérticas que estão localizadas em Natal? Fantástico!

O Notícias Independentes compareceu na capital do Rio Grande do Norte e visitou alguns lugares mais famosos da cidade, que conta com mais de 800 mil habitantes nos seus 418 anos de sua fundação.
Chegando à Natal, a primeira recepção que a cidade nós proporciona é o vento forte que atravessa as ruas, avenidas, rostos e corpos. A temperatura alta também é um atrativo para aqueles que adoram o calor. A temperatura a noite varia entre 22° a 25° C; durante a tarde o sol chega na marca dos 33° - isso no inverno, mês de junho, época que o site foi até a cidade.
Outro ponto positivo do lugar é a forma calorosa dos natalenses que recebem pessoas de outros estados brasileiros ou países. Desde o…

Edifício Wilson Paes de Almeida: Dez dias de dor, sofrimento, angústia e no fundo uma esperança

Moradores do prédio acampam no Largo do Paissandu esperando um desfecho da prefeitura da cidade em relação à moradia para eles.
Vítimas do desabamento se aglomeram para pegar um prato de comida (FOTO: Eduardo Pires)
Há de dez dias a cidade de São Paulo parava para acompanhar o desabamento do Edifícil Wilson Paes de Almeida. O local abrigou a sede da Polícia Federal e Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), além de ser um patrimônio histórico tombado em 1992.

Dos 24 andares que ostentava um edifício todo espelhado no Largo do Paissandu, Região Central de SP, nada sobrou, levando a metade de uma igreja luterana centenária abaixo. O local abrigava mais de 50 famílias que lutam por moradia através dos movimentos sociais. Cerca de 250 pessoas saíram ilesos do desastre do dia 1° de maio, Dia do Trabalhador, mas também sem um teto para pelo menos dormir. Outras cinco pessoas até o fechamento dessa matéria não tiveram a mesma sorte e acabaram morrendo.
A Praça em frente ao prédio que se rui…