Pular para o conteúdo principal

Tensão marca a terceira manifestação seguida na Avenida Paulista

Com cenas de guerra, policiais militares confronta com os manifestantes contra o impeachment

Milhares de manifestantes se concentraram no vão livre do Museu de Artes de São Paulo (Masp) para protestar o impeachment da ex-presidenta Dilma Rousseff. Frente Brasil Popular, Frente Povo Sem Medo e a Central Única dos Trabalhadores (CUT) organizaram o protesto para às 18h00, no vão livre do museu.

Com um cordão de isolamento feita pela Polícia Militar na Avenida Paulista e a Alameda Casa Branca, os manifestantes cantavam músicas contra o presidente empossado Michel Temer e contra a própria polícia. Para o Rogério, o afastamento da tucana representa a manipulação dos grandes veículos de comunicação. “O impeachment da Dilma Rousseff representa o golpe do parlamentarismo. A TV Globo teve uma grande influência para o que aconteceu hoje”.

Rogério com máscara do Eduardo Cunha e camiseta com a bandeira do Estado de São Paulo (FOTO: Eduardo Pires)

Distantes dali a 250 metros, os manifestantes a favor da cassação se concentraram em frente a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). Com bonecos infláveis da Dilma e do presidente do Senado, Renan Calheiros, as pessoas celebravam com entusiasmo. Com bandeiras do Brasil, os manifestantes cantavam músicas contra o Partido dos Trabalhadores (PT). O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi um dos principais alvos do grupo. O Movimento Brasil Livre e Resistência Brasil organizaram a manifestação

Rogério Ikezil líder do movimento Resistência Brasil (FOTO: Eduardo Pires)

Rodrigo Ikezili, líder do Resistência Brasil, movimento a favor do impeachment, comemora o resultado e diz que a ocupação da calçada em frente a Fiesp teve um impacto importante para o que aconteceu hoje. “Ocupamos no dia 18 de março, depois das escutas telefônicas entre a Dilma e o Lula. Estamos aqui há 170 dias para reivindicar sobre o que estava acontecendo na política”. Sobre as doações de alimentos e roupa, ele afirma que recebe de pessoas que passam por ali. “Aqui as doações são ocasionais, a pessoa passa e pergunta o que a gente precisa”.

A manifestação contra o impeachment seguiu até a Rua da Consolação. Os manifestantes montaram barricadas de lixos e fogo, a tropa de choque foi acionada. Depois o que se viu, foi cenas de guerra. Grupos de pessoas encurraladas nos cantos. A Cia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) localizado na consolação, teve o portão arrombado pelos manifestantes, para que eles pudessem se proteger contra a polícia que jogavam gás de pimenta e lacrimogêneo.

Manifestantes fazem barricada com lixo e fogo (FOTO: Eduardo Pires)

Um dos policiais ficou ferido ao ser atingido por fogos de artifício vindos dos manifestantes. Ônibus foram pichados com a frase “Fora Temer” e agência do Bradesco na Avenida Ipiranga, foi alvo de vandalismo.

O resultado foi lixos espalhados pela consolação e na Ipiranga. Pessoas reclamou da truculência da polícia


Bandeira “Fora Temer” estava presente na Avenida Paulista (FOTO: Eduardo Pires)
Fernando Holiday líder do Movimento Brasil Livre (FOTO: Eduardo Pires)
Batalhão da Policia da Choque em forma de cordão para enfrentar os manifestantes (FOTO: Eduardo Pires)
Ônibus foram alvos de pichadores com a frase “Fora Temer” (FOTO: Eduardo Pires)
Vidros da agência Bradesco foram quebrados pelos manifestantes (FOTO: Eduardo Pires)



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Palmeiras avassalador não dá chances para o São Paulo no Morumbi

Em clássico quente e disputa pelas primeiras posições, Palmeiras leva a melhor e quebra mais um tabu no ano. Torcida do São Paulo lota o Morumbi para ver mais um tropeço do time (FOTO: Eduardo Pires) Os 56.694 são paulinos que foram até o Estádio do Morumbi viram os 16 anos de tabu cair por terra. Os palmeirenses comemoram a vitória em mais um clássico, e de quebra a liderança folgada no Campeonato Brasileiro. Agora já são três pontos que separam o time alviverde para o Internacional, 56 contra 53. O time escalado por Felipão mesclando o time titular com jogadores “reservas” anularam totalmente o time do São Paulo. Diego Aguirre deixou no banco Everton e Arboleda, e apostou nas entradas de Rodrigo Caio e Bruno Alves, assim jogando com três zagueiros. Isso foi avassalador para o Palmeiras se sentir em casa e comandar a vitória no primeiro tempo. Meio-campo forte com Felipe Melo, Moises e Lucas Lima, Felipão viu a sua equipe ter toque de bola refinado e tranquilidade

Edifício Altino Arantes “banespão” completa 69 anos de beleza e modernidade

O projeto do edifício foi modificado para fazer referência ao Empire State Building de Nova York Hoje o Edifício Altino Arantes completa 69 anos, falando pelo nome, ninguém deve saber qual prédio estou falando, mas se eu falar o “banespão”, todos irão saber. No dia 27 de junho de 1947, a cidade de São Paulo ganhou um presente de 161 metros de altura, superando o Edifício Martinelli com 130 metros. O Edifício Altino Arantes se tornou em pouco tempo, o símbolo da cidade de São Paulo e o coração da cidade de São Paulo. A história começou quando o Banco do Estado de São Paulo (Banespa) ficava na Praça Ramos de Azevedo, longe do centro financeiro da cidade – na época ficava nas ruas São Bento e XV de Novembro. Para ficar próximo ao centro comercial, os diretores do banco fizeram uma parceria com a Santa Casa da Misericórdia e compraram alguns imóveis. Com a demolição de algumas casas, foi erguido o edifício na Rua João Brícola, se tornando o maior prédio do Brasil, com seus 161

Edifício Wilson Paes de Almeida: Dez dias de dor, sofrimento, angústia e no fundo uma esperança

Moradores do prédio acampam no Largo do Paissandu esperando um desfecho da prefeitura da cidade em relação à moradia para eles. Vítimas do desabamento se aglomeram para pegar um prato de comida (FOTO: Eduardo Pires) Há de dez dias a cidade de São Paulo parava para acompanhar o desabamento do Edifícil Wilson Paes de Almeida. O local abrigou a sede da Polícia Federal e Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), além de ser um patrimônio histórico tombado em 1992. Dos 24 andares que ostentava um edifício todo espelhado no Largo do Paissandu, Região Central de SP, nada sobrou, levando a metade de uma igreja luterana centenária abaixo. O local abrigava mais de 50 famílias que lutam por moradia através dos movimentos sociais. Cerca de 250 pessoas saíram ilesos do desastre do dia 1° de maio, Dia do Trabalhador, mas também sem um teto para pelo menos dormir. Outras cinco pessoas até o fechamento dessa matéria não tiveram a mesma sorte e acabaram morrendo.   A Praça em frent