Pular para o conteúdo principal

Pátio do Colégio atraí centenas de moradores de rua atrás de comida

Dezenas de carros e vans chegam para alimentar as pessoas que vivem nas ruas. Leites são distribuídos para as famílias com crianças.

Moradores faz fila em frente ao Pátio do Colégio (FOTO: Eduardo Pires)
Os moradores de rua na cidade de São Paulo quase que dobrou nos últimos 17 anos. Em 2000, o número chegava na casa dos 8.700 moradores que viviam nas ruas, na época um número alarmante. Passados quase duas décadas depois, o número cresceu de forma avassaladora.

Segundo um levantamento inédito pela Fundação Instituto de Pesquisa Econômicas (Fipe) em 2015, os números de moradores de rua chegaram nos 15.905. Isso porque os migrantes vindos de outros estados, principalmente do Nordeste, e também os imigrantes vindos dos países africanos e do Haiti - este último país foi arrasado por um furacão em 2010 - ajuda na concentração de mais gente nas ruas da cidade paulista.

Esse número só não é maior por causa que não é contabilizada as pessoas que são acolhidas em igrejas, ONGs e as invasões em propriedades privadas abandonadas.

A região da Sé tem o maior número de moradores de rua, segundo o Fipe, são 3.864 pessoas nas regiões da República, Anhangabaú, Glicério, Cracolândia, Luz e na própria Sé.

Para o morador de rua, Hiraldo, 60 anos, a região central virou uma disputa de território para a locação de barracas. “Eu moro aqui na região da Sé há 20 anos, cada dia que passa, a disputa por lugar é muito grande. No Pátio do Colégio mesmo, é um monte de barracas e pessoas”. Contou.

Para a sorte do Hiraldo e dos outros milhares de pessoas que vivem nas ruas da principal cidade do país, é que existem voluntários para oferecer comidas, lanches, leites e carinho.

Todos os dias, o Pátio do Colégio atraí centenas de pessoas atrás de mantimentos para sobreviver. O Núcleo do Voluntariado, da Casa do Cristo Redentor, distribuí toda segunda sexta-feira de cada mês: 1300 lanches, suco, água e chá. O dirigente do projeto chamado Pão e Amor, Rogério Baroni Rombe, diz que é uma satisfação fazer essa boa ação. “A casa faz esse projeto, cerca de 80 voluntários ajuda na distribuição dos lanches. Hoje cerca de 600 pessoas vão ser beneficiadas com os lanches”.

A comunidade evangélica, Vale do Benção, também distribuí todas as sextas-feiras comidas para os moradores, o coordenador do projeto, Júnior Santos, diz que há uma década esse projeto beneficia os moradores de rua na região central. “450 marmitex e 120 litros de suco, são distribuídos para a população de rua. Há dez anos estamos fazendo na região do Pátio do Colégio e também na Glicério toda quarta-feira, onde tem bastante haitianos”.

Dezenas de carros e vans chegam no Pátio do Colégio com os voluntários e bastante comida. Pessoas correndo para formar fila, e outras saindo de suas barracas com um sorriso no rosto prestes a comer o que seria a sua primeira refeição do dia. 

    Um dos voluntários ajudando a distribuir suco (FOTO: Eduardo Pires)
Rua Anchieta serve para a entrega dos marmitex para os moradores (FOTO: Eduardo Pires)
A Kombi da comunidade evangélica, Vale de Benção (FOTO: Eduardo Pires)
Rogério Baroni, diretor do projeto Pão e Amor da Casa do Cristo Redentor (FOTO: Eduardo Pires)


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Projeto Centro Aberto deixa a cidade de São Paulo mais harmonizada

Com cadeiras de praia e jogos de tabuleiro, as pessoas esquecem por alguns instantes a preocupação do dia a dia.



A cidade de São Paulo está ganhando nova cara. Jogos de tabuleiro como: dominó, dama e xadrez, e mesas de ping pong, ilustra a cidade com ar de lazer e aos poucos tirar a marca registrada da cidade, considerada uma “selva de pedra”.
O projeto Centro Aberto dá a oportunidade para os pedestres relaxar quando estiverem cansados, ou até mesmo, sair do serviço e jogar um jogo de tabuleiro de xadrez gigante para esquecer os dias corridos que a capital paulista proporciona. Desenvolvido e implantado por meio de colaboração de diversas secretárias municipais como: Secretária de Desenvolvimento Urbano, Secretária de Serviços, Secretária de Assistência e Desenvolvimento Social, Secretária de Direitos Humanos e Cidadania, Secretária de Segurança Urbana e Secretária de Cultura.O Centro Aberto também recebeu apoio do Metrô, que cedeu lugares para as construções das praças.
Cadeiras de prai…
Em algumas partes, o cemitério mostra o estado de abandono.

A cidade de Poá, localizada na Grande São Paulo, tem mais de 115 mil habitantes, segundo pesquisa feito pelo IBGE, em 2017.
Na década de 60 e 70, a cidade tinha cara de munício interiorano. Mas o tempo passou, com a pouca distância até a capital paulista (30 km) e o comércio chegando na cidade, Poá ganhou estados de cidade “grande”.
A Criminalidade de diversos tipos, vandalismos e a falta de segurança invadiram a cidade Os munícipes ficarem atentos à sua segurança como circuito de segurança nas casas e comércios, aumentar os muros e até colocar seguranças particulares em algumas ruas.
Mas é aqueles que já morreram? Será que eles se livraram dos maus hábitos dos seres humanos que estão na Terra? A resposta é simples, não!
O Cemitério Municipal de Poá, localizado no bairro Água Vermelha, está sofrendo vandalismo no ossário e em alguns túmulos. No prédio onde guarda boa parte dos ossos daqueles que já foram, está completamente em est…

Investigação do NI denúncia nutrição de hospital particular de SP

Nutrição do Hospital Santa Clara e suas más condições de trabalho

Mamão estragada sendo entregue para pacientes e acompanhantes (FOTO: Eduardo Pires) Frutas estragadas; verduras apodrecendo; panelas sujas; vasilhas e panelas com urinas e fezes de ratos; carne vencida sendo entregues para pacientes, acompanhantes e funcionários; ratoeiras no estoque de alimentos do setor de nutrição; embalagens roídas pelos ratos que andam pelos lugares da cozinha, estoque e corredor do setor; alimentos sendo armazenados de forma incorreta, fazendo com que os produtos ficam expostos as bactérias e fungos do lugar; entre outros agravantes.
Esses casos ocorreram até o dia 30 de outubro no Hospital Santa Clara, na Vila Matilde, Zona Leste de São Paulo. Infestações de baratas, ratos, mosquitos e cupins fizeram do lugar uma desordem. Até o último dia do mês 10, a cozinha do hospital viveu dias de caos e funcionários convivendo com todo este tipo de infrações graves. Responsáveis pelo setor e também do hospital…