Pular para o conteúdo principal

5 motivos para os palmeirenses já comemorar o título e 5 motivos para esperar a hora certa

O Palmeiras é um dos maiores times do Brasil e do mundo, mas alguns episódios fazem o palmeirense ficar pensativo na hora de comemorar um título que está próximo, mas não definido.

          Palmeirenses já comemoraram muito, mas também já presenciaram muitas tragédias (FOTO: Montagem)

O Palmeiras está com a faca e o queijo na mão para comemorar o seu nono título do campeonato brasileiro, um título que não conquista há 22 anos. Com quatro pontos na frente do segundo colocado, o Santos, o time alviverde terá três compromissos – dois jogos em casa e o último fora - para se sagrar campeão e tirar um peso que já dura duas décadas de não conquistar o nacional.

Listamos aqui os cinco motivos para os palmeirenses comemorar o título antecipadamente, independente se matematicamente já é campeão ou não. E os outros cinco motivos para deixar os santistas e flamenguistas com alguma esperança, mesmo que seja quase remota essa possibilidade.

CINCO MOTIVOS PARA OS PALMEIRENSES TER UM FINAL FELIZ EM DEZEMBRO

1. UNIÃO DO GRUPO: Nunca se viu um elenco do Palmeiras tão unido como esse do campeonato brasileiro, depois das eliminações no Paulistão e Liberadores, o técnico Cuca deu uma nova cara para o Palmeiras. O goleiro Jailson reserva do Fernando Prass - este último incontestável no gol do verdão - segurou a barra e está invicto no Palmeiras, até agora não perdeu com a camisa do Palmeiras. Com isso, o ídolo Fernando Prass entende que o momento é do companheiro. Além disso, não existe um titular absoluto, prova é o atacante Dudu e o lateral-esquerdo Zé Roberto que já ficaram no banco quando esteve em um momento baixo. Com respeito e união, o Palmeiras chega a 26ª rodada na liderança do torneio.

2. FATOR CASA: O Palmeiras é quase fatal jogando como mandante, só não é melhor quando comparado ao Atlético Paranaense, jogando na Arena da Baixada. Com 17 jogos sobre os seus domínios, o Palmeiras jogou dois jogos fora do Allianz Parque. Um jogo no Pacaembu na vitória contra o Grêmio por 4 a 3, e um jogo na Fonte Luminosa, em Araraquara, com um empate sem gols contra o Cruzeiro. Os 15 jogos no Allianz Parque, o Palmeiras venceu 11, empatou três e perdeu só uma. Os dois próximos compromissos serão contra o Botafogo e Chapecoense, na Arena, será que o título vem em alguns desses jogos?

3. ELENCO: O Palmeiras de 2015 tinha um elenco numeroso, porém, com qualidades nos setores de defasa, meio-campo e ataque. Chegou 2016 e o presidente Paulo Nobre investiu. Roger Guedes, Yerry Mina, Tchê Tchê e Jean, deram uma qualidade ainda maior ao Palmeiras. Dudu, Gabriel Jesus, Fernando Prass, Vitor Hugo, Zé Roberto dá ao Palmeiras formas diferentes de atuar em campo. O técnico Cuca pode escalar o time conforme o adversário, podendo alterar o esquema do 4-3-3 e mudar para o 4-4-2, sacando um dos atacantes e colocando uns dos meios-campistas, Allione ou Cleiton Xavier, para cadenciar mais o jogo.

4. DIRETORIA: Paulo Nobre chegou na presidência do Palmeiras em janeiro de 2013, a situação do clube era calamitosa. Com a disputa da Série B e devendo salários, Nobre conseguiu arrumar a casa aos poucos. Na primeira negociata dele, os palmeirenses se voltaram contra ele. Na época, ele trocou o atacante argentino Hernán Barcos por cinco jogadores do Grêmio (Rondinelly, Vilson, Leandro e Léo Gago) para a disputa da segundona. Quase quatro anos se passaram, e o Palmeiras hoje é um dos líderes no ranking dos sócios torcedores, renda líquida nos jogos do Palmeiras passa dos milhões de reais, lojas físicas em ruas e shoppings, e a contratação do diretor executivo, Alexandre Matos, como o seu braço direito para trazer reforços de qualidade. O Palmeiras de 2016 não é nem sombra daquele que o Paulo Nobre assumiu, em 2013.

5. TORCIDA: A torcida do Palmeiras comparece em peso para ver o seu time em campo. Com média de 31.545 pagantes por jogo e ocupação de 75% do estádio, os palmeirenses parecem mesmo acreditar nesse título. Prova disso é a festa que a torcida fez no Aeroporto de Congonhas, onde milhares de torcedores foram se despedir da delegação palmeirense que embarcou rumo a Belo Horizonte, para o jogo contra o Atlético Mineiro. Fato é, os jogadores sentem esse calor que é passado dos torcedores.

Palmeiras muito próximo de conquistar mais um título nacional, será o seu nono título do brasileiro (FOTO: Arquivo Google)

CINCO MOTIVOS PARA OS PALMEIRENSES FICAR COM O PÉ ATRÁS

1. PALMEIRAS SUCUMBIU PARA O GUARANI EM 1978: Talvez não seja uma “zebra” perder na final do campeonato brasileiro de 1978 para o Guarani. O time de Campinas tinha um esquadrão como: Zenon, Zé Carlos, Capitão e Careca. Mas, o Palmeiras tinha um elenco invejável, e um time que alguns anos antes tinha ganhado todos os títulos nacionais possíveis. Até hoje, o Guarani é o único time do interior no Brasil a conquistar o Campeonato Brasileiro da primeira divisão, e de quebra, foi em cima do imbatível, Palmeiras.

2. CAMPEONATO PAULISTA 1986: O Palmeiras viveu uma das maiores tramas de sua história, ter conseguido perder a final para a Inter de Limeira, em pleno Morumbi. Com dois jogos na final, o time de Limeira conseguiu segurar o Palmeiras no primeiro jogo. No segundo duelo, a Inter de Limeira conseguiu algo inédito, ser o primeiro time do interior a conquistar o Paulistão. Só restou aos palmeirenses comemorar a eliminação do Corinthians na semifinal frente ao Palmeiras.

3. VIRADA HISTÓRICA DO VASCO NA MERCOSUL DE 2000: Para o palmeirense, 20 de dezembro de 2000 foi um inferno, para os vascaínos, uma glória. Palmeiras com um esquadrão bancada pela Parmalat, conseguiu tomar uma virada no Palestra Itália depois de estar ganhando por 3 a 0. Com gols de Juninho Paulista e três do Romário, eles transformaram a palavra impossível em milagre. O jogo foi 4 a 3 para a equipe carioca, e os palmeirenses saíram sem acreditar no que tinham visto naquela noite de quarta-feira. A Copa Mercosul de 2000 ficou sempre marcada nas memórias dos palmeirenses, e principalmente, na dos vascaínos.

4. PALMEIRAS PERDE UM CAMPEONATO GANHO EM 2009: Quando o Campeonato Brasileiro de 2009 estava chegando na sua reta final, o Palmeiras estava na liderança com muitos pontos em relação ao segundo colocado. Mas as contusões, convocação de jogadores para a seleção brasileira e brigas internas, fizeram o Palmeiras colocar tudo a perder. O time alviverde só não perdeu o título, mas acabou ficando de fora da Libertadores de 2010. O título ficou com o Flamengo e um episódio deixou o grupo em alerta, agressão que o atacante Vagner Love sofreu de alguns integrantes da Mancha Alviverde, alguns dias antes da última partida na competição contra o Botafogo, no Rio de Janeiro.


5. GOIÁS CALA O PACAMEBÚ LOTADO EM 2010: Semifinal da Copa Sul-Americana de 2010, o Palmeiras enfrentou o time do Goiás, o que a torcida não esperava era que mais uma tragédia estava sendo escrita nos seus próprios olhos. No primeiro jogo, no Serra Dourada, o Palmeiras ganhou. No jogo da volta em São Paulo, Palmeiras abriu o placar com o atacante Luan, porém, Carlos Alberto e o atacante, Rafael Moura, decretaram a virada e a eliminação do Palmeiras. Talvez essa seja uma das maiores marcas negativas da história do Palmeiras recentemente. 

Atacante Kléber mostra no semblante como foi a eliminação do Palmeiras na Copa Sul-Americana de 2010 (FOTO: Gazeta Press)

Postagens mais visitadas deste blog

Viagem 2: Juiz de Fora – Minas Gerais – Brasil

Com cara da “cidade maravilhosa”, Juiz de Fora é conhecida pela grandiosidade no estado mineiro.

Conhecer a cidade mineira Juiz de Fora é conhecer também um pouco da história de Minas Gerais. Localizado no sudeste do estado, o munícipio está localizado na Zona da Mata, fazendo dela a principal cidade da região, que conta com outras cidades como Santos Dumond, Chácara, Bicas, Matias Barbosa, Lima Duarte entre outras.
Juiz de Fora tem a quarta maior população do Estado de Minas Gerais, com mais de 560 mil habitantes (estimativa de 2017 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística/IBGE), perdendo apenas para Belo Horizonte, Uberlândia e Contagem, respectivamente.
Quando um turista chega na cidade, logo se depara com as semelhanças entre Juiz de Fora e a cidade do Rio de Janeiro. O primeiro são os Taxis da cor amarelo, com as faixas pontilhados na lateral dos veículos; outro ponto a ser destacado são as bancas de jornais onde vendem jornais da capital Fluminense, O Globo e Extra são o…

Viagem 3: Natal - Rio Grande do Norte - Brasil

Natal deixa um rastro de saudades pelas suas belezas que enfeitam os corações e olhos dos turistas
Viajar sempre é bom, não é mesmo? Imagine viajar para um lugar que reúne vida noturna agitada, belas praias e animais que embelezam as paisagens das dunas desérticas que estão localizadas em Natal? Fantástico!

O Notícias Independentes compareceu na capital do Rio Grande do Norte e visitou alguns lugares mais famosos da cidade, que conta com mais de 800 mil habitantes nos seus 418 anos de sua fundação.
Chegando à Natal, a primeira recepção que a cidade nós proporciona é o vento forte que atravessa as ruas, avenidas, rostos e corpos. A temperatura alta também é um atrativo para aqueles que adoram o calor. A temperatura a noite varia entre 22° a 25° C; durante a tarde o sol chega na marca dos 33° - isso no inverno, mês de junho, época que o site foi até a cidade.
Outro ponto positivo do lugar é a forma calorosa dos natalenses que recebem pessoas de outros estados brasileiros ou países. Desde o…

Edifício Wilson Paes de Almeida: Dez dias de dor, sofrimento, angústia e no fundo uma esperança

Moradores do prédio acampam no Largo do Paissandu esperando um desfecho da prefeitura da cidade em relação à moradia para eles.
Vítimas do desabamento se aglomeram para pegar um prato de comida (FOTO: Eduardo Pires)
Há de dez dias a cidade de São Paulo parava para acompanhar o desabamento do Edifícil Wilson Paes de Almeida. O local abrigou a sede da Polícia Federal e Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), além de ser um patrimônio histórico tombado em 1992.

Dos 24 andares que ostentava um edifício todo espelhado no Largo do Paissandu, Região Central de SP, nada sobrou, levando a metade de uma igreja luterana centenária abaixo. O local abrigava mais de 50 famílias que lutam por moradia através dos movimentos sociais. Cerca de 250 pessoas saíram ilesos do desastre do dia 1° de maio, Dia do Trabalhador, mas também sem um teto para pelo menos dormir. Outras cinco pessoas até o fechamento dessa matéria não tiveram a mesma sorte e acabaram morrendo.
A Praça em frente ao prédio que se rui…