Pular para o conteúdo principal

A semana começou verde, terminou mais verde ainda

Título do Palmeiras e a tragédia da chapecoense fizeram todos adotar a cor verde como a segunda pele.

Um título que o torcedor palmeirense não via há 22 anos, o campeonato brasileiro conquistado em 1994 pelo verdão foi deixado para trás no último domingo (27/11), quando o time alviverde conquistou o seu nono título brasileiro, e o seu décimo terceiro título nacional (9 Campeonatos Brasileiros, 3 Copas do Brasil e 1 Copa dos Campeões).

A segunda-feira (28/11) começou bonito na cidade de São Paulo, todo mundo verde de alegria, felicidade e em paz. Camisetas do Palmeiras fizeram não só os paulistanos, mas o Brasil inteiro um pouco mais verde. Quis o destino que poucas horas depois da conquista, o Brasil e o mundo virasse os olhares para um time também verde.

Na terça-feira logo de manhã, todos ficaram perplexos com a tragédia em torno do voo da LaMia 2933, que saiu da cidade de Santa Cruz de La Sierra, na Bolívia, e tinha como destino a cidade de Medellín, na Colômbia. Mas o voo foi interrompido na Cerra Gordo, onde o avião acabou se chocando com o morro, vitimando 77 pessoas, onde 71 perderam as suas vidas e outras 6 ficaram feridas.

O Brasil ficou chocado e consternado com a morte de jogadores, jornalistas, dirigentes, funcionários do clube e do avião. Uma tragédia que não poderia ter acontecido. Um time que tinha sonhos e projetos. Um time fundado em 1973 e 43 anos depois, já estava disputando uma final de torneio internacional – Copa Sul-Americana – tão importante para a sua história.

Uma tragédia que o Brasil chorou, e se emocionou, como foi em maio de 1994, com a morte do Ayrton Senna, que pegou de surpresa todos os brasileiros e amantes do seu automobilismo. Assim foi o mesmo com o acidente da “chape”, quando ninguém pudesse presenciar esse fato desolador.

Uma morte que fez o clube ficar ainda mais grande, e por que não virar o novo xodó do Brasil? Talvez essa tragédia pode fazer a gente refletir até onde vai o amor e o ódio. Vendo torcedores organizados de São Paulo se reunindo para homenagear os mortos do acidente, que é algo quase que surreal...

Fato é, a Chapecoense se tornou um símbolo de boa gestão, organização, administração e companheirismo entre atletas, funcionários e dirigentes. Esse mesmo clube que era respeitado pelos outros clubes “gigantes” do nosso futebol, era rotulado como um time que nunca caiu da primeira para a segunda divisão – São Paulo, Santos, Cruzeiro, Internacional e Flamengo nunca caíram.

A Semana começou verde, mas terminou com um verde de esperança e paixão pela CHAPECOENSE. 


Elenco da Chapecoense enfileirado para a foto para um jogo da Copa Sul-Americana (FOTO: UOL)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Projeto Centro Aberto deixa a cidade de São Paulo mais harmonizada

Com cadeiras de praia e jogos de tabuleiro, as pessoas esquecem por alguns instantes a preocupação do dia a dia.



A cidade de São Paulo está ganhando nova cara. Jogos de tabuleiro como: dominó, dama e xadrez, e mesas de ping pong, ilustra a cidade com ar de lazer e aos poucos tirar a marca registrada da cidade, considerada uma “selva de pedra”.
O projeto Centro Aberto dá a oportunidade para os pedestres relaxar quando estiverem cansados, ou até mesmo, sair do serviço e jogar um jogo de tabuleiro de xadrez gigante para esquecer os dias corridos que a capital paulista proporciona. Desenvolvido e implantado por meio de colaboração de diversas secretárias municipais como: Secretária de Desenvolvimento Urbano, Secretária de Serviços, Secretária de Assistência e Desenvolvimento Social, Secretária de Direitos Humanos e Cidadania, Secretária de Segurança Urbana e Secretária de Cultura.O Centro Aberto também recebeu apoio do Metrô, que cedeu lugares para as construções das praças.
Cadeiras de prai…

Edifício Altino Arantes “banespão” completa 69 anos de beleza e modernidade

O projeto do edifício foi modificado para fazer referência ao Empire State Building de Nova York
Hoje o Edifício Altino Arantes completa 69 anos, falando pelo nome, ninguém deve saber qual prédio estou falando, mas se eu falar o “banespão”, todos irão saber.
No dia 27 de junho de 1947, a cidade de São Paulo ganhou um presente de 161 metros de altura, superando o Edifício Martinelli com 130 metros. O Edifício Altino Arantes se tornou em pouco tempo, o símbolo da cidade de São Paulo e o coração da cidade de São Paulo.
A história começou quando o Banco do Estado de São Paulo (Banespa) ficava na Praça Ramos de Azevedo, longe do centro financeiro da cidade – na época ficava nas ruas São Bento e XV de Novembro. Para ficar próximo ao centro comercial, os diretores do banco fizeram uma parceria com a Santa Casa da Misericórdia e compraram alguns imóveis. Com a demolição de algumas casas, foi erguido o edifício na Rua João Brícola, se tornando o maior prédio do Brasil, com seus 161 metros distri…

Investigação do NI denúncia nutrição de hospital particular de SP

Nutrição do Hospital Santa Clara e suas más condições de trabalho

Mamão estragada sendo entregue para pacientes e acompanhantes (FOTO: Eduardo Pires) Frutas estragadas; verduras apodrecendo; panelas sujas; vasilhas e panelas com urinas e fezes de ratos; carne vencida sendo entregues para pacientes, acompanhantes e funcionários; ratoeiras no estoque de alimentos do setor de nutrição; embalagens roídas pelos ratos que andam pelos lugares da cozinha, estoque e corredor do setor; alimentos sendo armazenados de forma incorreta, fazendo com que os produtos ficam expostos as bactérias e fungos do lugar; entre outros agravantes.
Esses casos ocorreram até o dia 30 de outubro no Hospital Santa Clara, na Vila Matilde, Zona Leste de São Paulo. Infestações de baratas, ratos, mosquitos e cupins fizeram do lugar uma desordem. Até o último dia do mês 10, a cozinha do hospital viveu dias de caos e funcionários convivendo com todo este tipo de infrações graves. Responsáveis pelo setor e também do hospital…