Pular para o conteúdo principal

A semana começou verde, terminou mais verde ainda

Título do Palmeiras e a tragédia da chapecoense fizeram todos adotar a cor verde como a segunda pele.

Um título que o torcedor palmeirense não via há 22 anos, o campeonato brasileiro conquistado em 1994 pelo verdão foi deixado para trás no último domingo (27/11), quando o time alviverde conquistou o seu nono título brasileiro, e o seu décimo terceiro título nacional (9 Campeonatos Brasileiros, 3 Copas do Brasil e 1 Copa dos Campeões).

A segunda-feira (28/11) começou bonito na cidade de São Paulo, todo mundo verde de alegria, felicidade e em paz. Camisetas do Palmeiras fizeram não só os paulistanos, mas o Brasil inteiro um pouco mais verde. Quis o destino que poucas horas depois da conquista, o Brasil e o mundo virasse os olhares para um time também verde.

Na terça-feira logo de manhã, todos ficaram perplexos com a tragédia em torno do voo da LaMia 2933, que saiu da cidade de Santa Cruz de La Sierra, na Bolívia, e tinha como destino a cidade de Medellín, na Colômbia. Mas o voo foi interrompido na Cerra Gordo, onde o avião acabou se chocando com o morro, vitimando 77 pessoas, onde 71 perderam as suas vidas e outras 6 ficaram feridas.

O Brasil ficou chocado e consternado com a morte de jogadores, jornalistas, dirigentes, funcionários do clube e do avião. Uma tragédia que não poderia ter acontecido. Um time que tinha sonhos e projetos. Um time fundado em 1973 e 43 anos depois, já estava disputando uma final de torneio internacional – Copa Sul-Americana – tão importante para a sua história.

Uma tragédia que o Brasil chorou, e se emocionou, como foi em maio de 1994, com a morte do Ayrton Senna, que pegou de surpresa todos os brasileiros e amantes do seu automobilismo. Assim foi o mesmo com o acidente da “chape”, quando ninguém pudesse presenciar esse fato desolador.

Uma morte que fez o clube ficar ainda mais grande, e por que não virar o novo xodó do Brasil? Talvez essa tragédia pode fazer a gente refletir até onde vai o amor e o ódio. Vendo torcedores organizados de São Paulo se reunindo para homenagear os mortos do acidente, que é algo quase que surreal...

Fato é, a Chapecoense se tornou um símbolo de boa gestão, organização, administração e companheirismo entre atletas, funcionários e dirigentes. Esse mesmo clube que era respeitado pelos outros clubes “gigantes” do nosso futebol, era rotulado como um time que nunca caiu da primeira para a segunda divisão – São Paulo, Santos, Cruzeiro, Internacional e Flamengo nunca caíram.

A Semana começou verde, mas terminou com um verde de esperança e paixão pela CHAPECOENSE. 


Elenco da Chapecoense enfileirado para a foto para um jogo da Copa Sul-Americana (FOTO: UOL)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Palmeiras avassalador não dá chances para o São Paulo no Morumbi

Em clássico quente e disputa pelas primeiras posições, Palmeiras leva a melhor e quebra mais um tabu no ano. Torcida do São Paulo lota o Morumbi para ver mais um tropeço do time (FOTO: Eduardo Pires) Os 56.694 são paulinos que foram até o Estádio do Morumbi viram os 16 anos de tabu cair por terra. Os palmeirenses comemoram a vitória em mais um clássico, e de quebra a liderança folgada no Campeonato Brasileiro. Agora já são três pontos que separam o time alviverde para o Internacional, 56 contra 53. O time escalado por Felipão mesclando o time titular com jogadores “reservas” anularam totalmente o time do São Paulo. Diego Aguirre deixou no banco Everton e Arboleda, e apostou nas entradas de Rodrigo Caio e Bruno Alves, assim jogando com três zagueiros. Isso foi avassalador para o Palmeiras se sentir em casa e comandar a vitória no primeiro tempo. Meio-campo forte com Felipe Melo, Moises e Lucas Lima, Felipão viu a sua equipe ter toque de bola refinado e tranquilidade

Edifício Altino Arantes “banespão” completa 69 anos de beleza e modernidade

O projeto do edifício foi modificado para fazer referência ao Empire State Building de Nova York Hoje o Edifício Altino Arantes completa 69 anos, falando pelo nome, ninguém deve saber qual prédio estou falando, mas se eu falar o “banespão”, todos irão saber. No dia 27 de junho de 1947, a cidade de São Paulo ganhou um presente de 161 metros de altura, superando o Edifício Martinelli com 130 metros. O Edifício Altino Arantes se tornou em pouco tempo, o símbolo da cidade de São Paulo e o coração da cidade de São Paulo. A história começou quando o Banco do Estado de São Paulo (Banespa) ficava na Praça Ramos de Azevedo, longe do centro financeiro da cidade – na época ficava nas ruas São Bento e XV de Novembro. Para ficar próximo ao centro comercial, os diretores do banco fizeram uma parceria com a Santa Casa da Misericórdia e compraram alguns imóveis. Com a demolição de algumas casas, foi erguido o edifício na Rua João Brícola, se tornando o maior prédio do Brasil, com seus 161

Edifício Wilson Paes de Almeida: Dez dias de dor, sofrimento, angústia e no fundo uma esperança

Moradores do prédio acampam no Largo do Paissandu esperando um desfecho da prefeitura da cidade em relação à moradia para eles. Vítimas do desabamento se aglomeram para pegar um prato de comida (FOTO: Eduardo Pires) Há de dez dias a cidade de São Paulo parava para acompanhar o desabamento do Edifícil Wilson Paes de Almeida. O local abrigou a sede da Polícia Federal e Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), além de ser um patrimônio histórico tombado em 1992. Dos 24 andares que ostentava um edifício todo espelhado no Largo do Paissandu, Região Central de SP, nada sobrou, levando a metade de uma igreja luterana centenária abaixo. O local abrigava mais de 50 famílias que lutam por moradia através dos movimentos sociais. Cerca de 250 pessoas saíram ilesos do desastre do dia 1° de maio, Dia do Trabalhador, mas também sem um teto para pelo menos dormir. Outras cinco pessoas até o fechamento dessa matéria não tiveram a mesma sorte e acabaram morrendo.   A Praça em frent