domingo, 4 de dezembro de 2016

A semana começou verde, terminou mais verde ainda

Título do Palmeiras e a tragédia da chapecoense fizeram todos adotar a cor verde como a segunda pele.

Um título que o torcedor palmeirense não via há 22 anos, o campeonato brasileiro conquistado em 1994 pelo verdão foi deixado para trás no último domingo (27/11), quando o time alviverde conquistou o seu nono título brasileiro, e o seu décimo terceiro título nacional (9 Campeonatos Brasileiros, 3 Copas do Brasil e 1 Copa dos Campeões).

A segunda-feira (28/11) começou bonito na cidade de São Paulo, todo mundo verde de alegria, felicidade e em paz. Camisetas do Palmeiras fizeram não só os paulistanos, mas o Brasil inteiro um pouco mais verde. Quis o destino que poucas horas depois da conquista, o Brasil e o mundo virasse os olhares para um time também verde.

Na terça-feira logo de manhã, todos ficaram perplexos com a tragédia em torno do voo da LaMia 2933, que saiu da cidade de Santa Cruz de La Sierra, na Bolívia, e tinha como destino a cidade de Medellín, na Colômbia. Mas o voo foi interrompido na Cerra Gordo, onde o avião acabou se chocando com o morro, vitimando 77 pessoas, onde 71 perderam as suas vidas e outras 6 ficaram feridas.

O Brasil ficou chocado e consternado com a morte de jogadores, jornalistas, dirigentes, funcionários do clube e do avião. Uma tragédia que não poderia ter acontecido. Um time que tinha sonhos e projetos. Um time fundado em 1973 e 43 anos depois, já estava disputando uma final de torneio internacional – Copa Sul-Americana – tão importante para a sua história.

Uma tragédia que o Brasil chorou, e se emocionou, como foi em maio de 1994, com a morte do Ayrton Senna, que pegou de surpresa todos os brasileiros e amantes do seu automobilismo. Assim foi o mesmo com o acidente da “chape”, quando ninguém pudesse presenciar esse fato desolador.

Uma morte que fez o clube ficar ainda mais grande, e por que não virar o novo xodó do Brasil? Talvez essa tragédia pode fazer a gente refletir até onde vai o amor e o ódio. Vendo torcedores organizados de São Paulo se reunindo para homenagear os mortos do acidente, que é algo quase que surreal...

Fato é, a Chapecoense se tornou um símbolo de boa gestão, organização, administração e companheirismo entre atletas, funcionários e dirigentes. Esse mesmo clube que era respeitado pelos outros clubes “gigantes” do nosso futebol, era rotulado como um time que nunca caiu da primeira para a segunda divisão – São Paulo, Santos, Cruzeiro, Internacional e Flamengo nunca caíram.

A Semana começou verde, mas terminou com um verde de esperança e paixão pela CHAPECOENSE. 


Elenco da Chapecoense enfileirado para a foto para um jogo da Copa Sul-Americana (FOTO: UOL)