Pular para o conteúdo principal

Falta de funcionários faz bilheteria da CPTM ficar inabitada

A compra do bilhete deve ser feita somente na plataforma 1. Passageiros reclamam do descaso.

Bilheteria fechada para a compra dos bilhetes, o motivo é a falta de funcionários no local (FOTO: Eduardo Pires)

Você chega na bilheteria da estação Água Branca (Linha 7 – Rubi) da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitano) e encontra fechada. Mas a pessoa vê um aviso em um banner dizendo que a entrada pela plataforma 2 é feita através do cartão BOM, bilhete único ou bilhete da CPTM.

Quem não tem um desses três passaportes, a única alternativa de compra do bilhete é no principal acesso da estação. Mas para chegar até lá, tem que passar pela linha férrea e subir uma rampa. Para quem tem mobilidade reduzida, idosos, gestantes ou pessoas com criança de colo, esse esforço desnecessário pode atrapalhar.

Perguntado do por que dá outra bilheteria estar fechada, um funcionário da companhia relata que há poucos funcionários para operar o segundo guichê. “Está fechado porque a CPTM não contrata funcionários para trabalhar, infelizmente a gente tem que tomar essas providências e acaba prejudicando os passageiros que não tem culpa de nada”. O funcionário não quis ser identificado.

O funcionamento da bilheteria na plataforma 2 ocorre das 15h às 22h. Nos demais horários, a compra deve ser feita pela plataforma 1.

Segundo a assessoria de imprensa da CPTM, o fato da bilheteria não estar funcionando é a baixa demanda de passageiros na estação Água Branca. Cerca de 80% dos passageiros da estação utilizam cartões eletrônicos. Diante dessa mudança de hábito, foi identificado ociosidade na bilheteria da plataforma 2, entre 4h e 15h. Por esse motivo, o guichê é aberto a partir das 15h, quando aumenta a demanda.

Vale lembrar que a CPTM interditou um dos trilhos da linha 7- Rubi por uma semana. A causa foi um deslizamento de terra, o acidente aconteceu no dia 20 de janeiro. Hoje (10) também no período da manhã, o intervalo de trens era de até 20 minutos por causa de uma manutenção no trilho próxima da estação da Luz. 

Avisos alertam que a compra deve ser feita na outra bilheteria (FOTO: Eduardo Pires)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Palmeiras avassalador não dá chances para o São Paulo no Morumbi

Em clássico quente e disputa pelas primeiras posições, Palmeiras leva a melhor e quebra mais um tabu no ano. Torcida do São Paulo lota o Morumbi para ver mais um tropeço do time (FOTO: Eduardo Pires) Os 56.694 são paulinos que foram até o Estádio do Morumbi viram os 16 anos de tabu cair por terra. Os palmeirenses comemoram a vitória em mais um clássico, e de quebra a liderança folgada no Campeonato Brasileiro. Agora já são três pontos que separam o time alviverde para o Internacional, 56 contra 53. O time escalado por Felipão mesclando o time titular com jogadores “reservas” anularam totalmente o time do São Paulo. Diego Aguirre deixou no banco Everton e Arboleda, e apostou nas entradas de Rodrigo Caio e Bruno Alves, assim jogando com três zagueiros. Isso foi avassalador para o Palmeiras se sentir em casa e comandar a vitória no primeiro tempo. Meio-campo forte com Felipe Melo, Moises e Lucas Lima, Felipão viu a sua equipe ter toque de bola refinado e tranquilidade

Edifício Altino Arantes “banespão” completa 69 anos de beleza e modernidade

O projeto do edifício foi modificado para fazer referência ao Empire State Building de Nova York Hoje o Edifício Altino Arantes completa 69 anos, falando pelo nome, ninguém deve saber qual prédio estou falando, mas se eu falar o “banespão”, todos irão saber. No dia 27 de junho de 1947, a cidade de São Paulo ganhou um presente de 161 metros de altura, superando o Edifício Martinelli com 130 metros. O Edifício Altino Arantes se tornou em pouco tempo, o símbolo da cidade de São Paulo e o coração da cidade de São Paulo. A história começou quando o Banco do Estado de São Paulo (Banespa) ficava na Praça Ramos de Azevedo, longe do centro financeiro da cidade – na época ficava nas ruas São Bento e XV de Novembro. Para ficar próximo ao centro comercial, os diretores do banco fizeram uma parceria com a Santa Casa da Misericórdia e compraram alguns imóveis. Com a demolição de algumas casas, foi erguido o edifício na Rua João Brícola, se tornando o maior prédio do Brasil, com seus 161

Edifício Wilson Paes de Almeida: Dez dias de dor, sofrimento, angústia e no fundo uma esperança

Moradores do prédio acampam no Largo do Paissandu esperando um desfecho da prefeitura da cidade em relação à moradia para eles. Vítimas do desabamento se aglomeram para pegar um prato de comida (FOTO: Eduardo Pires) Há de dez dias a cidade de São Paulo parava para acompanhar o desabamento do Edifícil Wilson Paes de Almeida. O local abrigou a sede da Polícia Federal e Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), além de ser um patrimônio histórico tombado em 1992. Dos 24 andares que ostentava um edifício todo espelhado no Largo do Paissandu, Região Central de SP, nada sobrou, levando a metade de uma igreja luterana centenária abaixo. O local abrigava mais de 50 famílias que lutam por moradia através dos movimentos sociais. Cerca de 250 pessoas saíram ilesos do desastre do dia 1° de maio, Dia do Trabalhador, mas também sem um teto para pelo menos dormir. Outras cinco pessoas até o fechamento dessa matéria não tiveram a mesma sorte e acabaram morrendo.   A Praça em frent