Pular para o conteúdo principal

Viagem 2: Juiz de Fora – Minas Gerais – Brasil


Com cara da “cidade maravilhosa”, Juiz de Fora é conhecida pela grandiosidade no estado mineiro.

Juiz de Fora vista do Morro do Imperador (FOTO: Eduardo Pires) 

Conhecer a cidade mineira Juiz de Fora é conhecer também um pouco da história de Minas Gerais. Localizado no sudeste do estado, o munícipio está localizado na Zona da Mata, fazendo dela a principal cidade da região, que conta com outras cidades como Santos Dumond, Chácara, Bicas, Matias Barbosa, Lima Duarte entre outras.

Juiz de Fora tem a quarta maior população do Estado de Minas Gerais, com mais de 560 mil habitantes (estimativa de 2017 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística/IBGE), perdendo apenas para Belo Horizonte, Uberlândia e Contagem, respectivamente.

Quando um turista chega na cidade, logo se depara com as semelhanças entre Juiz de Fora e a cidade do Rio de Janeiro. O primeiro são os Taxis da cor amarelo, com as faixas pontilhados na lateral dos veículos; outro ponto a ser destacado são as bancas de jornais onde vendem jornais da capital Fluminense, O Globo e Extra são os principais jornais do juiz-forano; outra característica marcante são os times de futebol carioca que marcam presença em Juiz de Fora. Vasco, Flamengo, Fluminense e Botafogo são presenças constantes com os símbolos nos bares, torcedores andando com camisetas destes clubes e bandeiras nas janelas das casas; por último é o Cristo Redentor da cidade onde fica o ponto turístico mais conhecido da cidade, mas isso vamos falar um pouco mais para frente. Toda esta semelhança se dá pela proximidade entre a cidade com o Estado do Rio de Janeiro, muitos moradores de Juiz de Fora quando quer ir à praia, vai para a cidade carioca. Cidades serranas do Rio como Petrópolis e Teresópolis também é um destino bastante procurado por quem mora na cidade mineira. Por tudo isso, o juiz-forano é chamado carinhosamente de “Carioca do Brejo”.

A maior cidade da Zona da Mata não é só “cópia” da cidade maravilhosa, mas também tem a sua beleza e pontos turísticos que fazem dela ser uma cidade diferente das outras que estão na região.

Vamos ver alguns pontos turísticos que o Notícias Independentes visitou em Juiz de Fora.  

PARQUE HALFELD

Um parque com ares de praça. Com árvores de diferentes tipos, o Parque Halfeld é bastante frequentado por idosos que jogam dominó e baralho. No local também tem o famoso “pirulito”, um relógio de aproximadamente cinco metros de altura onde serve para ponto de referência para encontros de pessoas.

Parque Halfeld vista de dentro e da Avenida Rio Branco, respectivamente (FOTO: Eduardo Pires)

ANTIGA PREFEITURA DA CIDADE

Juiz de Fora teve a sua primeira prefeitura na hoje famosa Avenida Rio Branco. Prédio de dois andares e patrimônio tombado pela prefeitura do município, o lugar chama atenção pela sua beleza externa com uma cúpula na parte mais alta do prédio e colunas na lateral.


O prédio da antiga prefeitura da cidade continua em perfeito estado de conservação (FOTO: Eduardo Pires) 

CALÇADÃO DA RUA HALFELD

Quer ir ao banco, comprar um tênis ou remédio, o calçadão da Rua Halfeld é o lugar perfeito para encontrar tudo isso e mais um pouco. É uma das ruas mais movimentadas da cidade e também onde fica concentrado o maior número de agências de bancos. Vale a pena dar uma passada na Rua Halfeld e comprar alguma coisa para lembrar da cidade.


Uma das ruas mais movimentadas de Juiz de Fora, Rua Halfeld está no coração de todos os juízes-foranos (FOTO: Eduardo Pires) 

CINE-THEATRO CENTRAL

Os principais shows com artistas mais renomados do Brasil acontecem no Cine-Theatro Central. O prédio foi inaugurado no ano de 1929 e desde então é considerado um dos principais teatros de Minas Gerais. Em 1994, o local foi tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), no mesmo ano a Universidade Federal de Juiz de Fora começou a administrar o prédio.


Os mais renomados artistas do Brasil já passaram pelo Cine-Theatro Central (FOTO: Eduardo Pires) 

MERCADO MUNICIPAL

No mercado é possível encontrar diferentes tipos de frutas, legumes, verduras, doces e queijos. O local é sem dúvidas um ponto a ser visitado em Juiz de Fora, ainda mais levar aquele famoso queijo mineiro para a sua família.


Mercado Municipal vista por dentro e do lado de fora (FOTO: Eduardo Pires) 

ESTAÇÃO FERROVIÁRIA

Estação já não está funcionando há algum tempo, moradores de rua tomaram a frente do prédio onde já percorreu uma longa história de dois séculos atrás. Inaugurado no ano de 1875, a estação ferroviária de Juiz de Fora serviu para que trens levassem mercadorias e materiais de construção para a cidade do Rio de Janeiro. A torre com o relógio em funcionamento até hoje também deixa o lugar mais atrativo.


A torre de relógio é a única coisa que ainda está funcionando na estação (FOTO: Eduardo Pires) 

MIRANTE DO MORRO DO IMPERADOR

Talvez seja o ponto turístico mais famoso da cidade. O Mirante do Morro do Imperador, mais conhecido como o “Morro do Cristo”, dá a visão quase que total da cidade de Juiz de Fora. A região central e bairros mais distantes dão a liberdade para os visitantes desfrutar a cidade de cima. O caminho até chegar no mirante também é bacana, em uma escultura de ferro os turistas podem ver a trajetória de Jesus enquanto esteve na Terra até o dia de sua morte, quando foi sacrificado na cruz. O local pode ser acessado de carro ou a pé, a última demanda tempo e fôlego para chegar até no topo do morro.


Vista geral de Juiz de Fora; o Cristo; caminho de arborizado até o morro e a réplica de ferro de Jesus carregando a cruz (FOTO: Eduardo Pires)

Vale a pena dar uma passada na bela Juiz de Fora, nada que dois dias dê para conhecer a cidade por completo. Conhecendo o maior município da Zona da Mata, também é conhecer um pouco da história de Minas Gerais e Brasil.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Palmeiras avassalador não dá chances para o São Paulo no Morumbi

Em clássico quente e disputa pelas primeiras posições, Palmeiras leva a melhor e quebra mais um tabu no ano. Torcida do São Paulo lota o Morumbi para ver mais um tropeço do time (FOTO: Eduardo Pires) Os 56.694 são paulinos que foram até o Estádio do Morumbi viram os 16 anos de tabu cair por terra. Os palmeirenses comemoram a vitória em mais um clássico, e de quebra a liderança folgada no Campeonato Brasileiro. Agora já são três pontos que separam o time alviverde para o Internacional, 56 contra 53. O time escalado por Felipão mesclando o time titular com jogadores “reservas” anularam totalmente o time do São Paulo. Diego Aguirre deixou no banco Everton e Arboleda, e apostou nas entradas de Rodrigo Caio e Bruno Alves, assim jogando com três zagueiros. Isso foi avassalador para o Palmeiras se sentir em casa e comandar a vitória no primeiro tempo. Meio-campo forte com Felipe Melo, Moises e Lucas Lima, Felipão viu a sua equipe ter toque de bola refinado e tranquilidade

Edifício Altino Arantes “banespão” completa 69 anos de beleza e modernidade

O projeto do edifício foi modificado para fazer referência ao Empire State Building de Nova York Hoje o Edifício Altino Arantes completa 69 anos, falando pelo nome, ninguém deve saber qual prédio estou falando, mas se eu falar o “banespão”, todos irão saber. No dia 27 de junho de 1947, a cidade de São Paulo ganhou um presente de 161 metros de altura, superando o Edifício Martinelli com 130 metros. O Edifício Altino Arantes se tornou em pouco tempo, o símbolo da cidade de São Paulo e o coração da cidade de São Paulo. A história começou quando o Banco do Estado de São Paulo (Banespa) ficava na Praça Ramos de Azevedo, longe do centro financeiro da cidade – na época ficava nas ruas São Bento e XV de Novembro. Para ficar próximo ao centro comercial, os diretores do banco fizeram uma parceria com a Santa Casa da Misericórdia e compraram alguns imóveis. Com a demolição de algumas casas, foi erguido o edifício na Rua João Brícola, se tornando o maior prédio do Brasil, com seus 161

Edifício Wilson Paes de Almeida: Dez dias de dor, sofrimento, angústia e no fundo uma esperança

Moradores do prédio acampam no Largo do Paissandu esperando um desfecho da prefeitura da cidade em relação à moradia para eles. Vítimas do desabamento se aglomeram para pegar um prato de comida (FOTO: Eduardo Pires) Há de dez dias a cidade de São Paulo parava para acompanhar o desabamento do Edifícil Wilson Paes de Almeida. O local abrigou a sede da Polícia Federal e Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), além de ser um patrimônio histórico tombado em 1992. Dos 24 andares que ostentava um edifício todo espelhado no Largo do Paissandu, Região Central de SP, nada sobrou, levando a metade de uma igreja luterana centenária abaixo. O local abrigava mais de 50 famílias que lutam por moradia através dos movimentos sociais. Cerca de 250 pessoas saíram ilesos do desastre do dia 1° de maio, Dia do Trabalhador, mas também sem um teto para pelo menos dormir. Outras cinco pessoas até o fechamento dessa matéria não tiveram a mesma sorte e acabaram morrendo.   A Praça em frent