Pular para o conteúdo principal

Edifício Wilson Paes de Almeida: Dez dias de dor, sofrimento, angústia e no fundo uma esperança


Moradores do prédio acampam no Largo do Paissandu esperando um desfecho da prefeitura da cidade em relação à moradia para eles.

Vítimas do desabamento se aglomeram para pegar um prato de comida (FOTO: Eduardo Pires)

Há de dez dias a cidade de São Paulo parava para acompanhar o desabamento do Edifícil Wilson Paes de Almeida. O local abrigou a sede da Polícia Federal e Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), além de ser um patrimônio histórico tombado em 1992.

Dos 24 andares que ostentava um edifício todo espelhado no Largo do Paissandu, Região Central de SP, nada sobrou, levando a metade de uma igreja luterana centenária abaixo. O local abrigava mais de 50 famílias que lutam por moradia através dos movimentos sociais. Cerca de 250 pessoas saíram ilesos do desastre do dia 1° de maio, Dia do Trabalhador, mas também sem um teto para pelo menos dormir. Outras cinco pessoas até o fechamento dessa matéria não tiveram a mesma sorte e acabaram morrendo.  

A Praça em frente ao prédio que se ruiu, está servindo de dormitório de barracas e recebimentos de alimentos e roupas. Roupas que chegam aos montes, estão sendo destinados as ONGs que abrigam crianças e idosos, pelo motivo do alto volume de doações que estão partindo de pessoas que se solidarizam pela tragédia.

Mantimentos como arroz, leite e feijão estão chegando em vans e carros vindos de igrejas, empresas e famílias que sentirão a dor daqueles que não têm onde dormir e tomar um simples banho.

O Notícias Independentes registrou algumas fotos dos escombros do Edifício Wilson Paes de Almeida, como também a precariedade de famílias com bebes e crianças que estão abrigadas em barracas no meio do Largo do Paissandu esperando uma moradia que pode vir através da prefeitura. Mas essa definição também pode demorar dias, semanas ou até meses, fazendo com que as integridades pessoais deles caiam ainda mais, como a higiene pessoal que os mesmos têm que pedir em botecos ou restaurantes para se lavar.



  Vista dos escombros da Rua Antônio de Godói (FOTO: Eduardo Pires)


Equipes de resgate trabalham com ajuda de retroescavadeiras para achar sobreviventes (FOTO: Eduardo Pires)


No lugar a espaço para estoque de alimentos e atendimento as famílias (FOTO: Eduardo Pires)


Voluntários ajudam no preparo e entregas de marmitas para as famílias afetadas à tragédia e moradores de rua (FOTO: Eduardo Pires) 


Carros chegam a quase todo momento trazendo alimentos e roupas para as famílias (FOTO: Eduardo Pires)

Pessoas se aglomeram no Largo do Paissandu a espera de uma nova moradia (FOTO: Eduardo Pires) 


Famílias já estão há dez dias vivendo em barracas e passando dificuldades de higiene como banho (FOTO: Eduardo Pires) 


Prédio que fica ao lado do Edifício Wilson Paes de Almeida foi atingido pelo fogo (FOTO: Eduardo Pires)


Um zoom do tamanho do estrago nos últimos andares do prédio vizinho (FOTO: Eduardo Pires)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Investigação do NI denúncia nutrição de hospital particular de SP

Nutrição do Hospital Santa Clara e suas más condições de trabalho

Mamão estragada sendo entregue para pacientes e acompanhantes (FOTO: Eduardo Pires) Frutas estragadas; verduras apodrecendo; panelas sujas; vasilhas e panelas com urinas e fezes de ratos; carne vencida sendo entregues para pacientes, acompanhantes e funcionários; ratoeiras no estoque de alimentos do setor de nutrição; embalagens roídas pelos ratos que andam pelos lugares da cozinha, estoque e corredor do setor; alimentos sendo armazenados de forma incorreta, fazendo com que os produtos ficam expostos as bactérias e fungos do lugar; entre outros agravantes.
Esses casos ocorreram até o dia 30 de outubro no Hospital Santa Clara, na Vila Matilde, Zona Leste de São Paulo. Infestações de baratas, ratos, mosquitos e cupins fizeram do lugar uma desordem. Até o último dia do mês 10, a cozinha do hospital viveu dias de caos e funcionários convivendo com todo este tipo de infrações graves. Responsáveis pelo setor e também do hospital…

Projeto Centro Aberto deixa a cidade de São Paulo mais harmonizada

Com cadeiras de praia e jogos de tabuleiro, as pessoas esquecem por alguns instantes a preocupação do dia a dia.



A cidade de São Paulo está ganhando nova cara. Jogos de tabuleiro como: dominó, dama e xadrez, e mesas de ping pong, ilustra a cidade com ar de lazer e aos poucos tirar a marca registrada da cidade, considerada uma “selva de pedra”.
O projeto Centro Aberto dá a oportunidade para os pedestres relaxar quando estiverem cansados, ou até mesmo, sair do serviço e jogar um jogo de tabuleiro de xadrez gigante para esquecer os dias corridos que a capital paulista proporciona. Desenvolvido e implantado por meio de colaboração de diversas secretárias municipais como: Secretária de Desenvolvimento Urbano, Secretária de Serviços, Secretária de Assistência e Desenvolvimento Social, Secretária de Direitos Humanos e Cidadania, Secretária de Segurança Urbana e Secretária de Cultura.O Centro Aberto também recebeu apoio do Metrô, que cedeu lugares para as construções das praças.
Cadeiras de prai…
Em algumas partes, o cemitério mostra o estado de abandono.

A cidade de Poá, localizada na Grande São Paulo, tem mais de 115 mil habitantes, segundo pesquisa feito pelo IBGE, em 2017.
Na década de 60 e 70, a cidade tinha cara de munício interiorano. Mas o tempo passou, com a pouca distância até a capital paulista (30 km) e o comércio chegando na cidade, Poá ganhou estados de cidade “grande”.
A Criminalidade de diversos tipos, vandalismos e a falta de segurança invadiram a cidade Os munícipes ficarem atentos à sua segurança como circuito de segurança nas casas e comércios, aumentar os muros e até colocar seguranças particulares em algumas ruas.
Mas é aqueles que já morreram? Será que eles se livraram dos maus hábitos dos seres humanos que estão na Terra? A resposta é simples, não!
O Cemitério Municipal de Poá, localizado no bairro Água Vermelha, está sofrendo vandalismo no ossário e em alguns túmulos. No prédio onde guarda boa parte dos ossos daqueles que já foram, está completamente em est…