Pular para o conteúdo principal

Edifício Wilson Paes de Almeida: Dez dias de dor, sofrimento, angústia e no fundo uma esperança


Moradores do prédio acampam no Largo do Paissandu esperando um desfecho da prefeitura da cidade em relação à moradia para eles.

Vítimas do desabamento se aglomeram para pegar um prato de comida (FOTO: Eduardo Pires)

Há de dez dias a cidade de São Paulo parava para acompanhar o desabamento do Edifícil Wilson Paes de Almeida. O local abrigou a sede da Polícia Federal e Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), além de ser um patrimônio histórico tombado em 1992.

Dos 24 andares que ostentava um edifício todo espelhado no Largo do Paissandu, Região Central de SP, nada sobrou, levando a metade de uma igreja luterana centenária abaixo. O local abrigava mais de 50 famílias que lutam por moradia através dos movimentos sociais. Cerca de 250 pessoas saíram ilesos do desastre do dia 1° de maio, Dia do Trabalhador, mas também sem um teto para pelo menos dormir. Outras cinco pessoas até o fechamento dessa matéria não tiveram a mesma sorte e acabaram morrendo.  

A Praça em frente ao prédio que se ruiu, está servindo de dormitório de barracas e recebimentos de alimentos e roupas. Roupas que chegam aos montes, estão sendo destinados as ONGs que abrigam crianças e idosos, pelo motivo do alto volume de doações que estão partindo de pessoas que se solidarizam pela tragédia.

Mantimentos como arroz, leite e feijão estão chegando em vans e carros vindos de igrejas, empresas e famílias que sentirão a dor daqueles que não têm onde dormir e tomar um simples banho.

O Notícias Independentes registrou algumas fotos dos escombros do Edifício Wilson Paes de Almeida, como também a precariedade de famílias com bebes e crianças que estão abrigadas em barracas no meio do Largo do Paissandu esperando uma moradia que pode vir através da prefeitura. Mas essa definição também pode demorar dias, semanas ou até meses, fazendo com que as integridades pessoais deles caiam ainda mais, como a higiene pessoal que os mesmos têm que pedir em botecos ou restaurantes para se lavar.



  Vista dos escombros da Rua Antônio de Godói (FOTO: Eduardo Pires)


Equipes de resgate trabalham com ajuda de retroescavadeiras para achar sobreviventes (FOTO: Eduardo Pires)


No lugar a espaço para estoque de alimentos e atendimento as famílias (FOTO: Eduardo Pires)


Voluntários ajudam no preparo e entregas de marmitas para as famílias afetadas à tragédia e moradores de rua (FOTO: Eduardo Pires) 


Carros chegam a quase todo momento trazendo alimentos e roupas para as famílias (FOTO: Eduardo Pires)

Pessoas se aglomeram no Largo do Paissandu a espera de uma nova moradia (FOTO: Eduardo Pires) 


Famílias já estão há dez dias vivendo em barracas e passando dificuldades de higiene como banho (FOTO: Eduardo Pires) 


Prédio que fica ao lado do Edifício Wilson Paes de Almeida foi atingido pelo fogo (FOTO: Eduardo Pires)


Um zoom do tamanho do estrago nos últimos andares do prédio vizinho (FOTO: Eduardo Pires)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Edifício Altino Arantes “banespão” completa 69 anos de beleza e modernidade

O projeto do edifício foi modificado para fazer referência ao Empire State Building de Nova York Hoje o Edifício Altino Arantes completa 69 anos, falando pelo nome, ninguém deve saber qual prédio estou falando, mas se eu falar o “banespão”, todos irão saber. No dia 27 de junho de 1947, a cidade de São Paulo ganhou um presente de 161 metros de altura, superando o Edifício Martinelli com 130 metros. O Edifício Altino Arantes se tornou em pouco tempo, o símbolo da cidade de São Paulo e o coração da cidade de São Paulo. A história começou quando o Banco do Estado de São Paulo (Banespa) ficava na Praça Ramos de Azevedo, longe do centro financeiro da cidade – na época ficava nas ruas São Bento e XV de Novembro. Para ficar próximo ao centro comercial, os diretores do banco fizeram uma parceria com a Santa Casa da Misericórdia e compraram alguns imóveis. Com a demolição de algumas casas, foi erguido o edifício na Rua João Brícola, se tornando o maior prédio do Brasil, com seus 161

Palmeiras avassalador não dá chances para o São Paulo no Morumbi

Em clássico quente e disputa pelas primeiras posições, Palmeiras leva a melhor e quebra mais um tabu no ano. Torcida do São Paulo lota o Morumbi para ver mais um tropeço do time (FOTO: Eduardo Pires) Os 56.694 são paulinos que foram até o Estádio do Morumbi viram os 16 anos de tabu cair por terra. Os palmeirenses comemoram a vitória em mais um clássico, e de quebra a liderança folgada no Campeonato Brasileiro. Agora já são três pontos que separam o time alviverde para o Internacional, 56 contra 53. O time escalado por Felipão mesclando o time titular com jogadores “reservas” anularam totalmente o time do São Paulo. Diego Aguirre deixou no banco Everton e Arboleda, e apostou nas entradas de Rodrigo Caio e Bruno Alves, assim jogando com três zagueiros. Isso foi avassalador para o Palmeiras se sentir em casa e comandar a vitória no primeiro tempo. Meio-campo forte com Felipe Melo, Moises e Lucas Lima, Felipão viu a sua equipe ter toque de bola refinado e tranquilidade

19° PARADA DO ORGULHO LGBT 2015

Avenida Paulista recebeu hoje o 19° Parada do Orgulho LGBT (Lésbica, Gay, Bisexual, Transexual), o evento é um dos mais importantes no calendário paulistano e todo ano toma conta da maior avenida do pais com festa, divertimento e músicas com os dezoito trios elétricos espalhados pela avenida. A via foi fechada por volta das 11h00 e as ruas que cruzam também foram bloqueadas, aos poucos a paulista foi ganhando forma com seus frequentadores com os trajes típicos e também pelos simpatizantes. Marta Suplicy e Eduardo Suplicy em cima de um dos trios elétricos (FOTO: Eduardo Pires) A Parada começou 12:30 com o primeiro trio elétrico saindo do MASP e seguindo para a consolação, em cima estava a ex-prefeita Marta Suplicy e o ex-senador Eduardo Suplicy dando as palavras contra o preconceito. Com o tempo a paulista foi ganhando mais frequentadores e consequentemente os furtos e assalto, o Marcelo de 52 anos disse que a Parada não é uma luta por um ideal. “ Gostaria de um pouco menos