Pular para o conteúdo principal

Shamell tem tarde mágica na vitória do Mogi para cima do Flamengo e final inédita para ambos


Torcida mogiana vibra e delira no Hugão com a classificação do Mogi Basquete para a final do NBB

Times perfilados para o hino nacional (FOTO: Eduardo Pires) 

O Ginásio Hugo Ramos, o Hugão, teve um sábado mágico e histórico. Isso porque o Basquete de Mogi se garantiu pela primeira vez na história para a final do Novo Basquete Brasil (NBB).
A vítima da vez foi o fortíssimo Flamengo comandado pelo pivô Varejão, que não suportou a pressão da equipe mogiana em tarde inspiradíssima de Shamell, e também dos 5 mil torcedores que lotaram o ginásio. O time paulista venceu o 
terceiro jogo em quatro partidas da semifinal.

PRIMEIRO QUARTO

Muito disputado pelas duas equipes, o Mogi tentou mais arremates de três e o Flamengo aproveitou as falhas do adversário em erros bobos. O mandante estava bem através das infiltrações do ala Jimmy e das belas cestas do craque americano Shamell. O time carioca aproveitava do forte Varejão para fazer a parede e conseguir os pontos, nisso o primeiro quarto acabou 17 a 15 para o 
time paulista.

SEGUNDO QUARTO

Flamengo veio mais disposto no segundo quarto e a entrada de Marcelinho Machado, deu mais mobilidade e dinamismo ao time rubro negro. O técnico do Mogi, Guerrinha, tirou o Tyrone e colocou o ídolo Filipin, a equipe perdeu mobilidade e viu o ala Marquinhos, do Flamengo, acertar uma cesta quase impossível do meio da quadra e fechar a segunda série na frente, 37 a 36.

TERCEIRO QUARTO

A equipe mogiana não queria passar sufoco e logo resolveu atacar o Flamengo com o Shamell, o melhor dizendo, “showmell”. O americano só não fez chover, porque do resto fez tudo. Dribles desconcertantes, cestas de três, enterradas e roubadas de bola que fizeram os 5 mil mogianos ir à loucura. O Flamengo aguerrido tentou segurar o placar, mas foi inevitável. O basquete do Mogi das Cruzes começou a engolir de uma maneira a equipe carioca que nem mesmo as bolas mais fáceis caiam na cesta do adversário, resultado da terceira série foi um elástico 62 a 51.

Mogi se portou como um campeão e não deixou o Flamengo 
respirar nos dois últimos quartos do jogo (FOTO: Eduardo Pires) 

ÚLTIMO QUARTO

Perto de fazer história não só para a cidade de Mogi das Cruzes, mas para a Região do Alto Tietê, a equipe paulista estava ligada nos 220 watts e não quis brincadeira. Shamell, Tyrone, Jimmy e Fabrício enterraram as chances remotas do Flamengo de virar a partida. O Hugão ia a loucura a cada ponto que o time da casa fazia. Nem mesmo os pontos feitos por Marcelinho, Varejão e cia tiravam a alegria e entusiasmo da torcida da casa. O show do Mogi basquete foi tão grande que a equipe carioca estava entregue aos minutos finais do último quarto, só esperando o juiz apitar o final da partida e ver a equipe rival fazer história ao lado do seu torcedor. O placar final ficou em 89 a 72 para o time da casa.


O placar do Hugão mostra a vitória mogiana por 17 pontos de diferença 
          em relação a equipe rubro negra (FOTO: Eduardo Pires) 
O Mogi das Cruzes exorcizou uma sina de nunca ter eliminado o Flamengo na NBB. Os dois times se enfrentaram nas semifinais nas temporadas de 2013/14 e 2015/16, os cariocas levaram a melhor. De quebra, o ala Marcelinho Machado anunciou a aposentadoria depois da derrota, o jogador está no clube desde 2007 e conquistou ao todo 19 títulos com a camisa rubro negra.

Jogo 1 – 28/04 – Mogi 79 x 62 Flamengo – Ginásio Hugo Ramos

Jogo 2 – 4/05 – Flamengo 74 x 88 Mogi – Arena Carioca 1


Jogo 3 – 7/05 – Flamengo 71 x 64 Mogi – Arena Carioca 1


Jogo 4 – Mogi 89 x 72 Flamengo – Ginásio Hugo Ramos  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Palmeiras avassalador não dá chances para o São Paulo no Morumbi

Em clássico quente e disputa pelas primeiras posições, Palmeiras leva a melhor e quebra mais um tabu no ano. Torcida do São Paulo lota o Morumbi para ver mais um tropeço do time (FOTO: Eduardo Pires) Os 56.694 são paulinos que foram até o Estádio do Morumbi viram os 16 anos de tabu cair por terra. Os palmeirenses comemoram a vitória em mais um clássico, e de quebra a liderança folgada no Campeonato Brasileiro. Agora já são três pontos que separam o time alviverde para o Internacional, 56 contra 53. O time escalado por Felipão mesclando o time titular com jogadores “reservas” anularam totalmente o time do São Paulo. Diego Aguirre deixou no banco Everton e Arboleda, e apostou nas entradas de Rodrigo Caio e Bruno Alves, assim jogando com três zagueiros. Isso foi avassalador para o Palmeiras se sentir em casa e comandar a vitória no primeiro tempo. Meio-campo forte com Felipe Melo, Moises e Lucas Lima, Felipão viu a sua equipe ter toque de bola refinado e tranquilidade

Edifício Altino Arantes “banespão” completa 69 anos de beleza e modernidade

O projeto do edifício foi modificado para fazer referência ao Empire State Building de Nova York Hoje o Edifício Altino Arantes completa 69 anos, falando pelo nome, ninguém deve saber qual prédio estou falando, mas se eu falar o “banespão”, todos irão saber. No dia 27 de junho de 1947, a cidade de São Paulo ganhou um presente de 161 metros de altura, superando o Edifício Martinelli com 130 metros. O Edifício Altino Arantes se tornou em pouco tempo, o símbolo da cidade de São Paulo e o coração da cidade de São Paulo. A história começou quando o Banco do Estado de São Paulo (Banespa) ficava na Praça Ramos de Azevedo, longe do centro financeiro da cidade – na época ficava nas ruas São Bento e XV de Novembro. Para ficar próximo ao centro comercial, os diretores do banco fizeram uma parceria com a Santa Casa da Misericórdia e compraram alguns imóveis. Com a demolição de algumas casas, foi erguido o edifício na Rua João Brícola, se tornando o maior prédio do Brasil, com seus 161

Edifício Wilson Paes de Almeida: Dez dias de dor, sofrimento, angústia e no fundo uma esperança

Moradores do prédio acampam no Largo do Paissandu esperando um desfecho da prefeitura da cidade em relação à moradia para eles. Vítimas do desabamento se aglomeram para pegar um prato de comida (FOTO: Eduardo Pires) Há de dez dias a cidade de São Paulo parava para acompanhar o desabamento do Edifícil Wilson Paes de Almeida. O local abrigou a sede da Polícia Federal e Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), além de ser um patrimônio histórico tombado em 1992. Dos 24 andares que ostentava um edifício todo espelhado no Largo do Paissandu, Região Central de SP, nada sobrou, levando a metade de uma igreja luterana centenária abaixo. O local abrigava mais de 50 famílias que lutam por moradia através dos movimentos sociais. Cerca de 250 pessoas saíram ilesos do desastre do dia 1° de maio, Dia do Trabalhador, mas também sem um teto para pelo menos dormir. Outras cinco pessoas até o fechamento dessa matéria não tiveram a mesma sorte e acabaram morrendo.   A Praça em frent