Pular para o conteúdo principal

Shamell tem tarde mágica na vitória do Mogi para cima do Flamengo e final inédita para ambos


Torcida mogiana vibra e delira no Hugão com a classificação do Mogi Basquete para a final do NBB

Times perfilados para o hino nacional (FOTO: Eduardo Pires) 

O Ginásio Hugo Ramos, o Hugão, teve um sábado mágico e histórico. Isso porque o Basquete de Mogi se garantiu pela primeira vez na história para a final do Novo Basquete Brasil (NBB).
A vítima da vez foi o fortíssimo Flamengo comandado pelo pivô Varejão, que não suportou a pressão da equipe mogiana em tarde inspiradíssima de Shamell, e também dos 5 mil torcedores que lotaram o ginásio. O time paulista venceu o 
terceiro jogo em quatro partidas da semifinal.

PRIMEIRO QUARTO

Muito disputado pelas duas equipes, o Mogi tentou mais arremates de três e o Flamengo aproveitou as falhas do adversário em erros bobos. O mandante estava bem através das infiltrações do ala Jimmy e das belas cestas do craque americano Shamell. O time carioca aproveitava do forte Varejão para fazer a parede e conseguir os pontos, nisso o primeiro quarto acabou 17 a 15 para o 
time paulista.

SEGUNDO QUARTO

Flamengo veio mais disposto no segundo quarto e a entrada de Marcelinho Machado, deu mais mobilidade e dinamismo ao time rubro negro. O técnico do Mogi, Guerrinha, tirou o Tyrone e colocou o ídolo Filipin, a equipe perdeu mobilidade e viu o ala Marquinhos, do Flamengo, acertar uma cesta quase impossível do meio da quadra e fechar a segunda série na frente, 37 a 36.

TERCEIRO QUARTO

A equipe mogiana não queria passar sufoco e logo resolveu atacar o Flamengo com o Shamell, o melhor dizendo, “showmell”. O americano só não fez chover, porque do resto fez tudo. Dribles desconcertantes, cestas de três, enterradas e roubadas de bola que fizeram os 5 mil mogianos ir à loucura. O Flamengo aguerrido tentou segurar o placar, mas foi inevitável. O basquete do Mogi das Cruzes começou a engolir de uma maneira a equipe carioca que nem mesmo as bolas mais fáceis caiam na cesta do adversário, resultado da terceira série foi um elástico 62 a 51.

Mogi se portou como um campeão e não deixou o Flamengo 
respirar nos dois últimos quartos do jogo (FOTO: Eduardo Pires) 

ÚLTIMO QUARTO

Perto de fazer história não só para a cidade de Mogi das Cruzes, mas para a Região do Alto Tietê, a equipe paulista estava ligada nos 220 watts e não quis brincadeira. Shamell, Tyrone, Jimmy e Fabrício enterraram as chances remotas do Flamengo de virar a partida. O Hugão ia a loucura a cada ponto que o time da casa fazia. Nem mesmo os pontos feitos por Marcelinho, Varejão e cia tiravam a alegria e entusiasmo da torcida da casa. O show do Mogi basquete foi tão grande que a equipe carioca estava entregue aos minutos finais do último quarto, só esperando o juiz apitar o final da partida e ver a equipe rival fazer história ao lado do seu torcedor. O placar final ficou em 89 a 72 para o time da casa.


O placar do Hugão mostra a vitória mogiana por 17 pontos de diferença 
          em relação a equipe rubro negra (FOTO: Eduardo Pires) 
O Mogi das Cruzes exorcizou uma sina de nunca ter eliminado o Flamengo na NBB. Os dois times se enfrentaram nas semifinais nas temporadas de 2013/14 e 2015/16, os cariocas levaram a melhor. De quebra, o ala Marcelinho Machado anunciou a aposentadoria depois da derrota, o jogador está no clube desde 2007 e conquistou ao todo 19 títulos com a camisa rubro negra.

Jogo 1 – 28/04 – Mogi 79 x 62 Flamengo – Ginásio Hugo Ramos

Jogo 2 – 4/05 – Flamengo 74 x 88 Mogi – Arena Carioca 1


Jogo 3 – 7/05 – Flamengo 71 x 64 Mogi – Arena Carioca 1


Jogo 4 – Mogi 89 x 72 Flamengo – Ginásio Hugo Ramos  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Projeto Centro Aberto deixa a cidade de São Paulo mais harmonizada

Com cadeiras de praia e jogos de tabuleiro, as pessoas esquecem por alguns instantes a preocupação do dia a dia.



A cidade de São Paulo está ganhando nova cara. Jogos de tabuleiro como: dominó, dama e xadrez, e mesas de ping pong, ilustra a cidade com ar de lazer e aos poucos tirar a marca registrada da cidade, considerada uma “selva de pedra”.
O projeto Centro Aberto dá a oportunidade para os pedestres relaxar quando estiverem cansados, ou até mesmo, sair do serviço e jogar um jogo de tabuleiro de xadrez gigante para esquecer os dias corridos que a capital paulista proporciona. Desenvolvido e implantado por meio de colaboração de diversas secretárias municipais como: Secretária de Desenvolvimento Urbano, Secretária de Serviços, Secretária de Assistência e Desenvolvimento Social, Secretária de Direitos Humanos e Cidadania, Secretária de Segurança Urbana e Secretária de Cultura.O Centro Aberto também recebeu apoio do Metrô, que cedeu lugares para as construções das praças.
Cadeiras de prai…
Em algumas partes, o cemitério mostra o estado de abandono.

A cidade de Poá, localizada na Grande São Paulo, tem mais de 115 mil habitantes, segundo pesquisa feito pelo IBGE, em 2017.
Na década de 60 e 70, a cidade tinha cara de munício interiorano. Mas o tempo passou, com a pouca distância até a capital paulista (30 km) e o comércio chegando na cidade, Poá ganhou estados de cidade “grande”.
A Criminalidade de diversos tipos, vandalismos e a falta de segurança invadiram a cidade Os munícipes ficarem atentos à sua segurança como circuito de segurança nas casas e comércios, aumentar os muros e até colocar seguranças particulares em algumas ruas.
Mas é aqueles que já morreram? Será que eles se livraram dos maus hábitos dos seres humanos que estão na Terra? A resposta é simples, não!
O Cemitério Municipal de Poá, localizado no bairro Água Vermelha, está sofrendo vandalismo no ossário e em alguns túmulos. No prédio onde guarda boa parte dos ossos daqueles que já foram, está completamente em est…

Investigação do NI denúncia nutrição de hospital particular de SP

Nutrição do Hospital Santa Clara e suas más condições de trabalho

Mamão estragada sendo entregue para pacientes e acompanhantes (FOTO: Eduardo Pires) Frutas estragadas; verduras apodrecendo; panelas sujas; vasilhas e panelas com urinas e fezes de ratos; carne vencida sendo entregues para pacientes, acompanhantes e funcionários; ratoeiras no estoque de alimentos do setor de nutrição; embalagens roídas pelos ratos que andam pelos lugares da cozinha, estoque e corredor do setor; alimentos sendo armazenados de forma incorreta, fazendo com que os produtos ficam expostos as bactérias e fungos do lugar; entre outros agravantes.
Esses casos ocorreram até o dia 30 de outubro no Hospital Santa Clara, na Vila Matilde, Zona Leste de São Paulo. Infestações de baratas, ratos, mosquitos e cupins fizeram do lugar uma desordem. Até o último dia do mês 10, a cozinha do hospital viveu dias de caos e funcionários convivendo com todo este tipo de infrações graves. Responsáveis pelo setor e também do hospital…